Seminário debaterá situação da Bacia do São Francisco para propor medidas para sua revitalização


Aracaju, 27 de novembro de 2017

 

Debater a situação do rio São Francisco, importante fonte de água para a maioria da população sergipana, e encontrar formas de sua utilização compatibilizando o abastecimento humano e animal, além de sua utilização para a produção de energia e irrigação, bem como estar em defesa contra a ameaça de privatização da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). Esses são alguns dos objetivos do seminário proposto pelo deputado federal João Daniel (PT/SE), através da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, que será realizado na próxima sexta-feira, dia 1, às 9 horas, no auditório do Colégio Nossa Senhora das Graças, localizado na Praça Tobias Barreto, Centro, município de Propriá.

 

Segundo o deputado, o seminário – realizado em parceria com o mandato da deputada estadual Ana Lúcia (PT), presidente da Frente Parlamentar Mista de Meio Ambiente, Segurança Alimentar e Comunidades Tradicionais da Assembleia Legislativa – quer debater a situação da Bacia do rio São Francisco e propor medidas para a sua revitalização e os programas de utilização de suas águas para as diversas atividades com responsabilidade social e sustentabilidade.

 

Representantes de diversos movimentos sociais e entidades foram convidados para participar do evento, que contará com a presença do presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara, deputado federal Nilto Tatto (PT/SP); o vice-presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, José Maciel Oliveira; o secretário de Estado do Meio Ambiente, Olivier Chagas; a presidente da Federação Quilombola de Sergipe, Xifronese Santos; representante da Agência Nacional de Águas (ANA), Câmaras de Vereadores da região do Baixo São Francisco, a Companhia do Desenvolvimento dos Vales Parnaíba e São Francisco (Codevasf), o bispo da Diocese de Propriá, entre outros.

 

“O rio São Francisco é sinônimo de vida para boa parte da população do Nordeste, pois representa, com seus multiusos, a esperança de todo um povo que vive sob sua influência”, disse. Por conta disso, ressaltou João Daniel, é necessária uma compatibilização entre os principais programas abastecimento das suas águas para dessedentação da população e também dos animais, em áreas urbanas e rurais, seu uso para a irrigação, a utilização das águas para produção de energia e o risco de sua privatização com as ameaças que se tenta impor à Chesf.

 

Para o deputado João Daniel, é fundamental que, nesse evento se busque soluções para os conflitos que são cada vez maiores quanto ao uso de suas águas e a necessidade de promover-se um plano estratégico de sua sustentabilidade.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa