Quintal Cultural: militância reafirma necessidade da defesa da justiça e da democracia


Aracaju, 6 de outubro de 2017

 

Na noite dessa quinta-feira, dia 5, militantes em defesa da democracia se reuniram em um ato, realizado na sede do Partido dos Trabalhadores em Sergipe, para reafirmar a defesa do companheiro, ex-deputado federal e ex-ministro José Dirceu. O Quintal Cultural – Na resistência com Zé Dirceu marcou, aqui no estado, o início dessa cruzada em defesa da justiça, da história e da luta dos perseguidos judicialmente, sem provas, e, entre eles, está José Dirceu. Em todo país comitês estão sendo formados com esse objetivo.

 

Estiveram presentes ao ato o deputado federal João Daniel (PT) e o secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal. Além de militantes do PT, também participaram representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Coletivo Quilombo, da Consulta Popular, Levante Popular, União Sergipana dos Estudantes Secundaristas (USES), Coletivo Para Todxs, Sindicato dos Profissionais do Ensino do Município de Aracaju (Sindipema).

 

Na oportunidade, a professora e militante Leila Argollo apresentou aos presentes o objetivo dessa Campanha Na Resistência Com Zé Dirceu. Segundo ela, a intenção é organizar e discutir com os integrantes do partido tudo que está ocorrendo, o andamento do processo, para que todos possam entender o que está se passando não somente com ele, mas também com o próprio partido e a seletividade nos julgamentos. Já o advogado criminalista José Rinaldo Oliveira Júnior fez um breve relato histórico da trajetória de José Dirceu e sua importância na defesa da democracia, da redemocratização do país e na luta dos trabalhadores. Ele também abordou as questões jurídicas relativas aos processos que envolvem o ex-ministro e os passos dados que deixam claro a perseguição que ele vem sofrendo.

 

O deputado federal João Daniel lembrou que no Brasil inteiro está sendo feita essa campanha com a militância dos movimentos sociais, sindical, da área jurídica e o PT na defesa daqueles que estão sendo perseguidos. “Zé Dirceu é um dos grandes brasileiros que dedicaram sua vida à defesa do Brasil, da democracia, um dos grandes quadros na defesa da redemocratização do Brasil, lutou contra a ditadura, foi ministro no governo Lula, deputado federal e nós não temos dúvida nenhuma de que ele vive um dos piores momentos de perseguição e criminalização. São condenações baseadas em delações premiadas, sem nenhuma prova material. Por isso estamos fazendo esses atos”, disse.

 

João Daniel acrescentou que não é possível aceitar condenação sem provas. “E o que está acontecendo com Zé Dirceu é uma condenação baseada na chamada teoria do domínio do fato, em que não se tem provas, mas se acha em condição de condenar. Isso não é o que a nossa Constituição Federal garante a todos os brasileiros e brasileiras, disse, ao defender a liberdade do companheiro.

 

A noite também foi marcada por um momento cultural. Na oportunidade, a dupla Chiko Queiroga e Antônio Rogério brindaram os participantes com o melhor do seu repertório formado por músicas já consagradas. Houve ainda um momento poético com Luiz Eduardo Oliva, professor de Relações Humanas do curso de Direito.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Fotos: Márcio Garcez