MP 785: João Daniel afirma que mudanças no Fies prejudica juventude mais carente


Aracaju, 31 de outubro de 2017

 

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) voltou a se posicionar contrário à Medida Provisória 785/2017, que muda as regras pelas quais os estudantes universitários poderão pleitear o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A MP esteve na pauta da sessão dessa terça-feira, dia 31. O parlamentar prestou solidariedade e apoio aos jovens estudantes brasileiros, pois, com essa MP haverá dificuldade no acesso ao financiamento aos estudantes que necessitam. Em seu discurso, João Daniel registrou que foram os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff que deixaram a marca da educação no Brasil. “É só olhar os dados que vocês vão ver quem fez algo pela educação brasileira e pela juventude”, disse.

 

Em nome das entidades estudantis representativas, como o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e a União Sergipana dos Estudantes Secundaristas (Uses), João Daniel prestou solidariedade aos estudantes brasileiros, especialmente aqueles que não têm recursos para custear seus estudos e dependem das políticas públicas para ingressar no ensino superior.

 

“Com essa medida, o governo golpista transfere para instituições financeiras a concessão do crédito e a análise de risco, ou seja, quer colocar a decisão sobre a concessão da bolsa nas mãos dos bancos. Isso significa que vai ocorrer o que já ocorre na lógica dos banqueiros: o lucro. E os mais prejudicados, novamente, serão os estudantes mais pobres, que terão mais dificuldades, com o excesso de burocracia, de comprovar renda compatível e captar financiadores”, analisou.

 

Segundo o deputado, antes do golpe, o número de vagas ofertadas chegou a 325 mil. Já neste governo, sem compromisso com a educação e com os mais vulneráveis, houve redução. Foram apenas 150 mil vagas ofertadas. Para ele, o que este governo está fazendo vai na contramão da lógica desenvolvimentista e de redução das desigualdades. “Burocratizar o Fies, dificultar seu acesso e prejudicar os estudantes mais carentes só mostra a quem projeto serve este governo: o dos senhores da Casa Grande, que desejam a volta do trabalho escravo, do desemprego em alta, para gerar profissionais subservientes e coagidos, além de elitizar o acesso à educação”, afirmou.

 

Apelo

Aproveitando a presença do ministro da Educação no plenário da Câmara, João Daniel fez também um apelo, diante da paralisação de obras importantes na Universidade Federal de Sergipe (UFS) e no Instituto Federal de Sergipe (IFS). Ele relatou que o reitor do IFS lhe mostrou parecer da Procuradoria determinando a paralisação das obras, a exemplo, dos campus dos municípios de Poço Redondo e de Tobias Barreto.

 

“O Instituto Federal é uma conquista histórica. Por isso gostaríamos de fazer um apelo ao ministro da Educação, pedindo uma atenção especial para o Instituto Federal de Sergipe. As obras lá estão sendo paralisadas. A nossa juventude perde a esperança. São obras que foram conquistadas com muita luta pela juventude sergipana e pelos nossos professores e pelos reitores. Nós só temos duas instituições federais: o IFS e a Universidade Federal. Portanto, quero que sejam olhadas com atenção, com respeito as conquistas feitas durante o Governo Lula e o Governo Dilma, e que não podem ser retiradas”, apelou.