João Daniel quer que comissão acompanhe a apuração de massacre de trabalhadores rurais no Mato Grosso


Aracaju 24 de abril de 2017

 

 

 

Familiares das vítimas em Colniza aguardando a liberação dos corpos

O deputado federal João Daniel (PT/SE) vai propor que uma comissão especial formada por parlamentares da Câmara possa acompanhar e exigir rigor na apuração do assassinato de nove trabalhadores rurais, ocorrido na última quarta-feira, dia 19, em Taquaruçu do Norte, no município de Colniza, no Mato Grosso. Os nove homens foram mortos com requintes de crueldade. O crime aconteceu na semana em que se completou 21 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, quando 19 trabalhadores rurais sem terra foram assassinados por policiais militares.

 

Nesse domingo, dia 23, outro trabalhador rural, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Minas Gerais, Silvino Nunes Gouveia, 51 anos, foi assassinado com 10 tiros, no Assentamento Liberdade, no município de Periquito. O parlamentar cobrou punição aos responsáveis por esses dois crimes. “Lamentavelmente vemos mais um massacre, mais crimes contra posseiros e trabalhadores rurais”, disse João Daniel.

 

O parlamentar participou, na semana passada, do lançamento do relatório da Comissão Pastoral da Terra (CPT), na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), sobre os conflitos agrários em 2016. O documento aponta no ano passado foram registrados 61 assassinatos decorrentes de conflitos agrários no Brasil. São 11 casos a mais que em 2015. “Infelizmente essa é uma violência que tem pouca repercussão na mídia, até porque quem está por trás dos assassinatos são pessoas poderosas que encomendam a morte daqueles que os incomodam”, disse.

 

Desmonte

De acordo com o deputado, mesmo diante desse cenário de tantos conflitos e mortes no campo, esse governo federal tem como medida acabar com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e com a Ouvidoria Agrária Nacional, que acompanhava os conflitos rurais, e com isso a violência no campo está cada vez mais aumentando. Segundo João Daniel, a Ouvidoria Agrária era uma das instâncias mais importantes que se tinha do Executivo para mediar esses conflitos. “Essa situação é fruto de uma política desse governo que não trata a violência no campo como deve ser tratada”, avaliou.

 

João Daniel lamentou que até o momento o Ministério da Justiça não tenha tomado nenhuma posição com relação a esse massacre no Mato Grosso, que deixou como vítimas Sebastião Ferreira de Souza, Izaul Brito dos Santos, Ezequias Santos de Oliveira, Edson Alves Antunes, Valmir Rangeu do Nascimento, Samuel Antônio da Cunha, Francisco Chaves da Silva, Fabio Rodrigues dos Santos e Aldo Aparecido Carlini. “É necessário a mobilização de todo o povo na busca da superação dessa violência, no enfrentamento contra o crime das reformas do governo contra os trabalhadores e na formulação de um novo projeto para o Brasil”, disse o deputado João Daniel.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: