João Daniel destaca luta de Luther King e defende reflexão sobre o que acontece no Brasil


Aracaju, 04 de abril de 2018

 

 

Hoje, 04 de abril de 2018, é a data que marca os 50 anos de assassinato do histórico ativista político Martin Luther King Júnior. Em respeito à história de luta do ativista norte-americano, o deputado federal João Daniel (PT/SE) registrou esta data, na sessão da Câmara desta quarta-feira. Em seu discurso, João Daniel destacou Luther King como um dos grandes homens da história da humanidade, pela luta que sempre prestou aos trabalhadores e, em especial, aos negros discriminados nos Estados Unidos da América (EUA) e no mundo.

 

Uma das frases mais conhecidas do ativista – “O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética, o que me preocupa é o silêncio dos bons” – foi lembrada pelo deputado, que propôs uma grande reflexão acerca do que estamos vivendo no Brasil. “Este dia, que completa 50 anos do assassinato de um dos homens mais conhecidos da humanidade na luta por justiça, deve ser um dia de reflexão e de defesa da luta de todos os democratas do mundo inteiro, da defesa democracia, da justiça e de um mundo sem preconceito, sem violência, pelo qual a humanidade sempre lutou, ou a maioria lutou”, disse Daniel.

 

O deputado ainda assemelhou a perseguição, o ódio e o assassinato sofridos por Luther King ao que o presidente Lula está enfrentando no Brasil. “As injustiças da história da humanidade ocorreram e ocorrem. E os movimentos fascistas de direita, assim como aquele branco de direita separatista teve a coragem de assassinar Martin Luther King, fazem o apedrejamento do presidente Lula por questões ideológicas ou por serem usados pelos grandes meios de comunicação e por aqueles que lutam para que o nosso país não seja um país que garanta a todos os homens e mulheres, a todas as crianças o direito à cidadania”, declarou.

 

No final do seu pronunciamento, o parlamentar sergipano definiu o julgamento do presidente Lula como um ato crucial para o futuro do país e da sociedade brasileira. “Esse julgamento do presidente Lula é uma luta de todos nós que acreditamos no Brasil, em nossa Constituição respeitada, que acreditamos que possamos ter homens e mulheres civilizados, que tenham coragem de fazer debate e de enfrentar todos os momentos conjunturais, buscando saída, pensando no Brasil, na democracia e no povo brasileiro, que é isso que faz o presidente Lula, que é isso que faz todos que lutam”, finalizou o deputado.

 

Sobre Luther King

Martin Luther King Júnior nasceu em 15 de janeiro de 1929, na cidade de Atlanta, no Estado norte-americano da Geórgia. Além de ativista político, ele foi pastor protestante. Como ativista tornou-se um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA, e no mundo, com uma luta pela não violência, pelo combate à desigualdade racial e pelo amor ao próximo. Por sua luta, King ganhou o Prêmio Nobel da Paz, no ano de 1964. Antes de sua morte, no dia 04 de abril de 1968, o ativista sofreu perseguições do FBI, que chegou a considerá-lo um radical, e de grupos segregacionistas dos EUA.

 

Por Whagner Alcântara, sob supervisão de Edjane Oliveira