Trabalhadores rurais bloqueiam rodovias em todo Estado em dia de mobilização nacional


 

Rodovias estaduais e federais de Sergipe foram fechadas em Sergipe, na manhã desta quinta-feira, dia 11, por trabalhadores rurais. Os bloqueios aconteceram em 12 pontos de todo Estado e fizeram parte da grande mobilização que aconteceu em todo país, chamada pelas centrais sindicais e movimentos sociais do campo e da cidade.

 

Segundo a coordenação estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o trancamento das rodovias teve início logo às 6 horas da manhã nos municípios de Japaratuba e Carmópolis. Nesses locais, os bloqueios aconteceram com 30 minutos de fechamento, seguidos de 30 minutos de abertura de passagem e assim sucessivamente.

 

A partir das 9 horas, também foram realizados trancamentos nos municípios de Indiaroba, Itaporanga d’Ajuda, Simão Dias, Carira, Japoatã, Barra dos Coqueiros, Lagarto, Nossa Senhora da Glória, Malhador e Propriá. Nesses pontos, os bloqueios tiveram duração de meia hora. Além do fechamento das rodovias, em Itaporanga, Glória, Propriá e Cristinápolis, foram realizados atos públicos pela manhã, nas ruas das cidades. No geral, os atos contaram com a participação de mais de 3.100 pessoas.

 

O deputado João Daniel participou da manifestação no município de Itaporanga d’Ajuda. Segundo ele, o ato contou com o apoio dos motoristas, que aguardavam os 30 minutos de bloqueio e depois a liberação da pista. O parlamentar também esteve na passeata que aconteceu na cidade, que, além do MST, teve a participação do Sindicato dos Servidores Públicos de Itaporanga, representantes sindicais e Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação de Itaporanga.

 

Em comum, os trabalhadores reivindicaram durante o bloqueio a pauta unificada dos trabalhadores que defendem, entre outros pontos, a reforma agrária, a redução da jornada de trabalho, transporte público de qualidade e gratuito, democratização dos meios de comunicação, destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para investimentos em Educação e Saúde. Mas, segundo Esmeraldo Leal, da direção estadual do MST, além dessas reivindicações coletivas, o movimento também chamou atenção para a pauta dos movimentos sociais entregue à presidenta Dilma Rousseff, na semana passada.

 

À tarde, os trabalhadores rurais que participaram dos atos de bloqueio nas rodovias pela manhã se juntaram a outros trabalhadores e estudantes e participaram do ato estadual, construído em conjunto pelo MST, centrais sindicais, juventude e movimentos do campo da cidade. A passeata percorreu as principais ruas da capital Aracaju, para reivindicar e externar os pontos de lutas do movimento.

 

Para Esmeraldo Leal, a avaliação das mobilizações feitas pelos trabalhadores rurais é bastante positiva. “Pois conseguimos parar o Estado todo, suas principais vias, de uma forma planejada e reivindicando uma pauta unificada. Ou seja, a avaliação é bastante positiva não só pelo ato em si, mas pelo momento e pela unidade com as centrais e movimentos do campo e da cidade”, afirmou o dirigente do MST.

 

Durante as mobilizações desta quinta, o MST de Sergipe aproveitou para convidar os trabalhadores rurais para a grande marcha que acontece no próximo dia 25. O ato, que é realizado há mais de uma década, irá reunir milhares de trabalhadores. Eles sairão do trevo do viaduto da entrada da capital, com destino ao Centro de Aracaju. A saída está prevista para as 8 horas. De lá seguem em marcha, param para o almoço coletivo, na praça em frente ao Incra, de onde parte para o ato final, que será realizado na praça General Valadão, no Centro da capital.
Edjane Oliveira, da Assessoria Parlamentar