Soberania alimentar: João Daniel defende revisão da política da produção agrícola no Brasil


 

Aracaju, 23 de fevereiro de 2016

 

João Daniel foi escolhido coordenador do Núcleo Agrário do PT e defende soberania alimentar no Brasil

O deputado federal João Daniel (PT/SE) levantou a necessidade de um grande projeto para a agricultura brasileira, em especial a agricultura camponesa, defendendo a produção de alimentos saudáveis e a soberania alimentar, por entender que isso faz parte também da soberania nacional. Este foi um dos pontos tratados durante a reunião do Núcleo Agrário do Partido dos Trabalhadores na reunião desta terça-feira, dia 23, núcleo para o qual o deputado João Daniel foi escolhido coordenador.

 

Em discurso na sessão de hoje da Câmara, João Daniel agradeceu a escolha e afirmou que irá trabalhar com muito afinco. “Com muito prazer vamos ajudar a coordenar esse núcleo histórico do nosso partido, por onde passaram vários deputados federais, a exemplo de Adão Pretto e tantos outros”, disse, acrescentando que este mesmo trabalho se estenderá ao seu mandato.

 

No que se refere à segurança alimentar do povo brasileiro, no entendimento do deputado João Daniel, a produção agrícola no país não pode ser submetida, exclusivamente, a uma lógica econômico/capitalista, visando exclusivamente a produção para a formação de superávit de exportação, sem que se tenha uma preocupação com a qualidade de vida para a nossa população. Ele informou que a safra brasileira de 2015/2016 está estimada em 211 milhões de toneladas de grãos, ou seja, superior em 3 milhões de toneladas à safra anterior. Sendo a soja a maior responsável por este incremento e, junto com o milho responderá por 88% do volume total de grãos produzidos na próxima safra. Entretanto, a produção de arroz tem uma quebra prevista de 515 mil toneladas, enquanto a produção de trigo, na melhor das hipóteses, se manterá ao nível da safra anterior.

 

Revisão

“Com isso estamos importando arroz da China e, consequentemente, impondo maiores custos à cesta básica dos brasileiros”, destacou João Daniel. Em consonância com as propostas do nosso Núcleo Agrário e também de acordo as demandas dos movimentos sociais do campo como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf) e outras entidades, o deputado defendeu uma revisão da política conservadora da produção agrícola brasileira.

 

Para ele, é inadmissível que com a pujança do nosso campo e com a disposição dos trabalhadores brasileiros o país precise importar comida para a mesa de seu povo, enquanto se exporta soja para a produção agrícola de outros países. “Permitindo, inclusive, que o agronegócio fique a dizer aos quatro cantos que é única atividade produtiva que está dando resultados no País”, acrescentou.

 

Na avaliação do deputado João Daniel, o que é preciso é que se promova cada vez mais a soberania nacional do Brasil na produção de alimentos saudáveis e garantir que com a produção brasileira se possa levar alimento a todas as mesas brasileiras, sem a necessidade de importação. “Precisamos ter a garantia também de uma alimentação sem uso de venenos que garantam a saúde dos trabalhadores e todo o nosso povo”, disse, ao também defender assistência técnica voltada para os nossos produtos, crédito para a produção, uma política mais arrojada de um programa de aquisição de alimentos e de formação de estoques reguladores e que a produção não seja submetida a critérios de patenteamento de sementes produzidas por multinacionais.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Márcio Garcez