Seminário marca os 25 anos de atuação do Núcleo Agrário do PT na defesa de políticas para o campo


Aracaju, 07 de dezembro de 2016

 

Contribuir para unificar os movimentos sociais do campo contra a pauta conservadora em tramitação na Câmara dos Deputados, em especial com relação à previdência rural. Este é um dos grandes desafios do Núcleo Agrário do Partido dos Trabalhadores na Câmara de agora em diante, na avaliação do seu coordenador, deputado federal João Daniel (PT/SE). Um seminário, realizado no auditório Freitas Nobre, na Câmara, nesta quarta-feira, dia 7, marcou a passagem dos 25 anos de atuação do Núcleo Agrário.

Além de uma avaliação de tudo que já foi feito nessas mais de duas décadas, uma homenagem especial foi prestada ao ex-deputado e ex-coordenador do Núcleo, Adão Pretto, que tanto contribuiu com as lutas no campo, no Brasil, e hoje dá nome ao colegiado petista na Câmara. Também foram homenageados ex-coordenadores do Núcleo Agrário, entidades e movimentos que contribuíram com sua atuação nesses 25 anos.

Parlamentares, movimentos sociais do campo e entidades prestigiaram seminário pelos 25 anos do Núcleo Agrário

Diversos parlamentares da bancada do PT participaram do seminário e ressaltaram a importância desse colegiado do partido e ressaltaram seu trabalho na Câmara e junto aos movimentos sociais do campo. Entre eles, Valmir Assunção (BA), Marcon (RS), Pepe Vargas (RS), Erika Kokay (DF), Nilto Tatto (SP), Bohn Gass (RS), Adelmo Carneiro Leão (MG), Luiz Couto (PB), Afonso Florence (BA), Paulo Teixeira (SP), Paulo Pimenta (RS), entre outros. O seminário também teve a participação de representantes de entidades e movimentos ligados ao campo no Brasil.

Ao receber a homenagem em nome do seu pai, Edegar Pretto ressaltou o grande papel exercido por ele no Parlamento, no Núcleo Agrário e na defesa dos movimentos sociais e pela reforma agrária, como uma grande figura agregadora. “Ele foi um grande homem, um parlamentar que fez dos movimentos sociais e do homem do campo os donos do seu mandato”, disse. Edegar lembrou que se Adão Pretto estivesse presente à comemoração, nesse momento pelo qual passa o país, com certeza, diria a todos os movimentos sociais que resistissem a essa onda tão forte que tem vindo contra organizações.

Alcides recebe homenagem das mãos do deputado Valmir Assunção

Remanescente da primeira formação do Núcleo Agrário, o ex-deputado Alcides Modesto também destacou a convivência com o companheiro Adão Pretto, desde a criação do colegiado. “Adão era um amigo, irmão de todas as horas. Um homem de fé, de coerência e coragem”, disse, bastante emocionado, ao lembrar que era contra o latifúndio que hoje domina a política, a economia e as decisões no país que, desde aquela época, eles já lutavam.

Conquistas
O Núcleo Agrário foi criado no ano de 1991 com a participação de cinco deputados diretamente comprometidos com as lutas dos trabalhadores rurais, dentre os quais, uma trabalhadora rural, com o objetivo de lutar pelos interesses da soberania, da democratização da terra e das políticas agrícolas e outras demandas populares do campo. A presença dos movimentos sociais e sindical e a articulação das ações parlamentares com as lutas sociais tem sido um elemento diferencial introduzido pelo Núcleo Agrário no âmbito da bancada federal do PT.

No balanço feito da sua atuação nesses 25 anos pode-se dizer que, desde 1991, todas as legislações que tratam da questão agrária têm alguma marca dos deputados do Núcleo Agrário, seja através de autoria ou defesa de proposições ou emenda. Exemplo disso é a Lei Agrária e o Código Florestal.

O coordenador do Núcleo Agrário do PT, deputado João Daniel, ressaltou que, no atual momento que vive o país, é muito importante resgatar para o parlamento a figura combatente de Adão Pretto – que ajudou a fundar a Via Campesina no Nordeste –, que vivia na luta. “Sabemos o limite que temos nesse Congresso. E dentro desse limite a gente espera que essa homenagem fortaleça o nosso Núcleo e ajude nossa bancada a estar firme e forte no combate a esse momento conjuntural. Precisamos retomar um grande projeto para o Brasil, que foi o projeto de Florestan Fernandes, de Adão Pretto, de Plínio de Arruda Sampaio e tantos que deram sua vida, luta e compromisso”, afirmou.