Seminário debaterá a importância da defesa do setor elétrico, contra as privatizações


Aracaju, 16 de outubro de 2017

 

 

 

Estudiosos, sindicalistas e representantes da sociedade civil organizada, juntamente com parlamentares, estarão debatendo a importância da defesa do setor elétrico e a manutenção do Sistema Eletrobras público. Na próxima sexta-feira, dia 20, será realizado, no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe, às 9 horas, o seminário com o tema “Modelo de Reorganização do Setor Elétrico e a Defesa da CHESF como Entidade Pública. O evento é fruto de um requerimento 191/2017 apresentado pelo deputado federal João Daniel (PT/SE) à Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU) da Câmara dos Deputados, juntamente com a deputada estadual Ana Lúcia (PT).

 

Além dos parlamentares, estarão participando do seminário como palestrantes o representante do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico (Ilumina), João Paulo Aguiar; a representante da Secretaria de Energia da Confederação Nacional dos Urbanitários, Fabíola Antezana; o presidente do Sindicato dos Eletricitários do Estado de Sergipe (Sinergia-SE), Sérgio Alves; e o supervisor técnico do Escritório Regional/SE do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Luís Moura, além de representantes do Governo do Estado, prefeitos, vereadores e das entidades sociais ligadas ao tema.

 

Para o deputado João Daniel, diante do cenário nacional, em que o governo Michel Temer já anunciou e vem reafirmando seu objetivo em privatizar a Eletrobras, é fundamental a mobilização da sociedade para pressionar e buscar evitar que isso aconteça, tendo em vista as graves consequências que isso trará. “Na medida em se aprofunda a crise brasileira, o governo está entregando todo o nosso patrimônio para a iniciativa privada nacional e internacional, privatizando tudo e fazendo acordos cada vez mais lesivos aos interesses do povo brasileiro. Agora, o governo está determinado em privatizar a Eletrobrás, trabalhando com a possibilidade de concluir o processo de venda da empresa até o final do ano e no conjunto dessa privatização está incluída a Chesf”, disse.

 

A Chesf produz a maior parte de sua energia a partir das hidrelétricas instaladas no São Francisco. É de sua gestão, o maior reservatório do Nordeste, o de Sobradinho. Ela gera energia para mais de 80% dos municípios nordestinos. Só não atende o Maranhão, dos nove estados da região. Por usar água do São Francisco para gerar energia, o valor estratégico, o caráter multiuso (abastecimento, pesca, energia) e a importância ambiental do rio são argumentos usados pelos governadores e pela Frente Parlamentar em Defesa da Chesf para aconselhar a não privatização da companhia. Para os críticos da privatização, todos esses recursos poderiam estar em risco em nome do lucro.

 

Esse seminário tem como objetivo ouvir setores da sociedade e sindicais envolvidos com a questão e, a partir dele, ser tirado um documento que norteei as atividades parlamentares na discussão do tema na Comissão de Desenvolvimento Urbano. Diante da possibilidade de privatização do sistema Eletrobras há grandes chances de aumento de tarifas, a perspectiva da falta de investimentos sociais, inclusive para o Programa Luz para Todos e as questões ambientais envolvidas, alertou o deputado João Daniel. “São medidas que afetam todos os cidadãos do campo e das cidades, daí a necessidade de discussão do tema”, justificou o parlamentar.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa