Sem Terra quer mais agilidade do governo: Manifestação no Dia do Trabalhador Rura lem Aracaju reuniu 20 mil pessoas


O Movimento dos Sem Terra promoveu ontem, 25, a maior manifestação do grupo no Estado. Mais de 20 mil pessoas fizeram parte da ação, que teve como objetivo pressionar o Governo Federal a agilizar o processo de reforma agrária em Sergipe. Atualmente existem mais de 200 acampamentos e 11 mil famílias para serem assentadas.

Aracaju foi tomada por diversas famílias de assentamentos e acampamentos sergipanos que passaram o dia comemorando o 25 de Julho e discutindo as reivindicações. Eles fizeram uma marcha de aproximadamente 15 quilômetros, da entrada da capital em direção à praça do Cemitério da Cruz Vermelha, onde foi servido almoço para os sem terra e para quem estava no local.

“Esse é um momento muito importante para o MST, pois esta é a maior manifestação do país. A previsão para este ano é de que apenas 550 famílias sejam assentadas. Precisamos de assentamento para 11 mil famílias, se o governo Federal continuar nesse ritmo levaria décadas para assentar todos”, explica o coordenador estadual e nacional do MST, Esmeraldo Leal.

No segundo momento, por volta das 15h30min, a multidão partiu em caminhada para a Praça General Valadão onde distribuíram panfletos e conversaram com a população sobre suas reivindicações. Gileno Damascena, da coordenação do MST, argumenta que já houve muitas conquistas, mas ainda há muito a avançar.

“Sergipe foi o primeiro a ter o convênio em terra estadual, no qual 1.200 famílias foram beneficiadas. Isso foi exemplo para outros estados. Mas, além de festejar nossas conquistas, ainda temos muito que reivindicar. Estamos longe de afirmar que temos uma política de reforma agrária, precisamos de um programa de agroindustrialização”, destaca o militante.

De acordo com Gileno, a agroindustrialização é importante para o desenvolvimento da vida econômica dos “Sem Terra”. “Conquistamos muito como educação e infraestrutura, foram mais de 10 mil famílias assentadas em 28 anos, agora o MST nacional já discute com o governo federal sobre o programa, ele precisa abraçar a causa. Isso é importante para a evolução das famílias. Em Sergipe, há um ano nossas lideranças conversaram com o governador, ainda esperamos uma audiência oficial. Se ele nos apoiar será um grande passo”, explica.

Um ato na Praça General Valadão finalizou as atividades do “Dia do Trabalhador Rural”.

Foto: Ronaldo Sales

Com informações do Jornal da Cidade (www.jornaldacidade.net)