Reconhecimento do FMI à importância do Bolsa Família é destacado por João Daniel


Aracaju, 14 de maio de 2015

 

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) registrou na tribuna da Câmara Federal, na sessão desta quinta-feira, dia 14, o reconhecimento do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao programa Bolsa Família, como fundamental para que o Brasil superasse a extrema pobreza na última década. Em seu discurso, o parlamentar reproduziu o conteúdo do documento divulgado esta semana.

 

“O FMI reconhece o Bolsa Família como um dos mais importantes programas sociais do mundo, que no Brasil retirou 2 milhões de pessoas da extrema pobreza”, destacou. Segundo o deputado, o Brasil conseguiu sair do mapa da pobreza mundial graças a governos comprometidos, como foram os dois governos do ex-presidente Lula e os primeiros quatro anos de administração da presidenta Dilma Rousseff.

 

“E tenho certeza que os próximos quatro anos da presidenta Dilma serão de um governo sério, comprometido, em especial com as pessoas mais pobres do país”, afirmou. João Daniel acrescentou que o Bolsa Família, que já é reconhecido por várias instituições, agora recebe esse reconhecimento do FMI.

 

Relatório

O relatório do Fundo Monetário Internacional reconhece que as ações do Plano Brasil sem Miséria, em especial o Bolsa Família, foram fundamentais para que o Brasil superasse a extrema pobreza na última década. Ele aponta o aumento de 3,6 milhões para 14 milhões de famílias beneficiadas pelo programa, quase um quarto da população

 

De acordo com o FMI, “apesar de seu grande alcance, os custos fiscais são menores que 0,6% do PIB anual”. O FMI também elogia as condicionalidades do programa de complementação de renda, como a matrícula obrigatória e frequência escolar mínima para crianças e adolescentes, vacinação e boa nutrição das crianças pequenas, cuidados pré e pós-natal para mulheres, entre outras. Além disso, registra o relatório, a partir de 2011, o Bolsa Família foi responsável pela saída de 22 milhões de brasileiros do nível de renda de extrema pobreza.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Rede Brasil