“O que está em jogo é se seremos uma Nação independente ou uma colônia”, diz João Daniel


Aracaju, 25 de fevereiro de 2016

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) avaliou que o momento de conjuntura importante que passa o Brasil e toda ofensiva travada por setores conservadores da oposição, da grande mídia histórica e conservadora, inclusive utilizando e politizando setores de instituições como o Judiciário e a Polícia Federal, está dentro de um planejamento a médio e longo prazo daqueles que lutam para que o Brasil não seja uma Nação soberana e independente. “Não existe Nação independente, povo forte sem uma liderança que tenha raiz, que tenha olhar, esteja com sua voz, seu coração e seu sangue fazendo parte dessa história, desse povo. Por isso é preciso destruir a liderança”, disse, referindo-se aos ataques ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Em discurso na Câmara, na sessão desta quinta-feira, dia 25, o deputado João Daniel avaliou que os ataques contra Lula, sua esposa e seu filho não têm o objetivo apenas de atingir aquele que foi o presidente da República e que ajudou a eleger sua sucessora, a primeira mulher a governar o Brasil, onde até pouco tempo atrás a mulher não tinha direito a voto. Para ele, a questão não é a liderança de Lula, mas todo um contexto. O parlamentar citou como exemplo disso o Projeto de Lei 131, votado e aprovado na noite da última terça-feira no Senado, quer retira da Petrobras a obrigatoriedade de participação na exploração do pré-sal.

 

João Daniel disse ter esperança de que ao ser analisado na Câmara o PL 131 seja amplamente debatido e que os deputados possam mudar a visão. “Porque nenhum país do mundo se constituiu uma Nação sem que ele tenha o mínimo de autonomia e o petróleo é parte dessa autonomia. O país com uma empresa do porte da Petrobras é um sinal de que pode investir na saúde, educação e infraestrutura”, disse.

 

Para o deputado João Daniel, nenhum país se desenvolve se não tiver sua questão estratégica sob controle estatal e dentro de um projeto que sirva ao povo de sua Nação. “Não é por acaso a CPI da Petrobras, a CPI do BNDES, a Operação Lava-Jato e o ataque frontal ao líder maior da classe trabalhadora e do povo brasileiro que é Lula e seu partido. Esse ataque tem como objetivo central desconstruir o que vem sendo construído com o sangue, trabalho e luta do povo brasileiro”, afirmou.

 

Ele acrescentou que a história mostrará a verdade e a resistência nas ruas por parte daqueles que têm moral, dignidade e, acima de tudo, o espírito de nação livre e soberana. Durante seu discurso, João Daniel citou a manifestação de diversas entidades como a Federação Única dos Petroleiros (FUP), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Frente Brasil Popular que se pronunciaram publicamente em defesa da Petrobras e contra o PL 131.

 

“Esse projeto, na verdade, é uma vontade explícita daqueles que há muito já queriam privatizar a Petrobras e agora acharam uma oportunidade aprovando esse projeto e trazendo para dentro da operação do pré-sal, a maior riqueza descoberta graças à tecnologia. Por isso digo que a questão não é Lula, a Petrobras nem as nossas riquezas. O que está em jogo mais uma vez é se nós seremos uma Nação justa, independente ou uma colônia colonizada pelas multinacionais e o grande capital para transformar nosso país em mercadoria”, enfatizou, ao parabenizar toda militância histórica que se une nesse momento em grandes frentes para defender a Nação e suas conquistas.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Márcio Garcez