MST apresenta Palestina a crianças


Revista infantil do Movimento dos Sem Terra conta história de duas crianças palestinas e mostra realidade vivida por elas no país árabe. Região é tema de campanha de solidariedade da organização.

Isaura Daniel

isaura.daniel@anba.com.br

São Paulo – O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fez da Palestina um dos temas da última edição da revista infantil da organização. A história de um menino e uma menina palestinos, Layla e Samir, faz parte da Revista Sem Terrinha de 2012 e conta um pouco da rotina no país árabe. De acordo com Maria Cristina Vargas, membro do setor de Educação do MST, a Palestina é o foco da campanha da solidariedade deste ano do movimento, que vem procurando trabalhar a visão internacional junto a seus integrantes.

Reprodução/MST Revista é voltada a crianças do MST

“Eu estou aqui no Brasil, sou trabalhadora aqui, mas sou irmã dos trabalhadores do mundo, que também vivem dificuldades, somos próximos porque somos trabalhadores, há algo que nos aproxima”, afirma Vargas, exemplificando como a campanha é feita. Segundo ela, essa não é uma campanha para ser divulgada, mas para conscientizar os integrantes sobre o que está acontecendo no outro país. “A Palestina é um desafio grande para nós. Assim como o MST é mostrado na mídia com uma realidade mascarada, o mesmo ocorre com a Palestina”, diz.

A Revista Sem Terrinha conta um dia de Layla e Samir, que são irmãos. A história diz que em uma sexta-feira eles acordam cedo para fazer uma caminhada, junto às demais crianças da sua escola e seus parentes, entre as oliveiras, árvores da qual é extraída a azeitona e depois feito o azeite. O enredo também diz que a casa dos dois personagens era rodeada de extensas plantações de oliveiras até que os soldados israelenses chegaram, jogaram bombas, depredaram tudo, depois colocaram cercas e então muros. A paisagem por lá mudou.

Mas subindo em um lugar bem alto, conta a história, Layla e Samir, puderam ver que no lugar onde estavam as oliveiras, Israel construiu casas para pessoas ricas e de classe média que apoiaram o seu governo. Layla contou na escola que seu avô ficou muito triste ao ver destruídas as oliveiras que ele ajudou a plantar, com suas mãos, em épocas passadas. Naquela sexta, porém, as duas crianças estavam entusiasmadas pois plantariam, com outros moradores, 64 oliveiras, representando os anos de ocupação de Israel.

Reprodução/MST Revista: muro e cerca na Palestina

A historinha ainda conta da euforia da plantação das oliveiras e como a ação foi reprimida por israelenses. A revista traz ainda informações sobre a história da Palestina, seus problemas com Israel e a importância histórica da região, inclusive para o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. A publicação também relata brevemente a visita que integrantes do MST fizeram à Palestina no ano passado. Eles ajudaram na colheita das azeitonas. A revista usa desenhos feitos por crianças sobre a história da Palestina e fotos do país. A história foi escrita por Marcelo Buzetto, do setor de relações internacionais do MST.

De acordo com Vargas, a revista é anual e procura trazer os temas que tiveram o envolvimento do MST no decorrer daquele ano. A ideia é que com isso se vá resgatando e contando a história do próprio movimento e que as crianças estejam incorporadas a esse processo, recebendo essas informações a partir da lógica infantil. A Revista Sem Terrinha é distribuída para as crianças que moram em assentamentos e acampamentos e também tem versão digital (veja abaixo).

Contato:
Revista Sem Terrinha
Edição Nº 5
Acesso no endereço:
http://issuu.com/semterrinha/docs/pdf_rvst_sem_marcas_de_corte/32