João Lula Daniel apela para solução de problemas denunciados por trabalhadores rurais de Sergipe


Aracaju, 06 de junho de 2018

 

 

A ocupação da sede da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Sergipe pelos trabalhadores rurais sem terra foi registrada na sessão da Câmara, nesta quarta-feira, dia 6, pelo deputado federal João Lula Daniel (PT/SE). Ele apelou à direção do Instituto para que encontre uma solução para os problemas elencados na pauta dos trabalhadores. Entre eles estão a desapropriação de terras, o assentamento de famílias acampadas e o retorno do programa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), cortado há mais de um ano.

 

Os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) ocupam a sede do Incra desde a madrugada da última segunda-feira, dia 4. São cerca de 500 famílias. A mobilização é um protesto contra o desmonte e a destruição da política pública para a reforma agrária. Em seu discurso, João Daniel destacou os principais pontos da reivindicação feita pelos trabalhadores e apelou ao Incra nacional e ao governo federal para que as cobranças sejam atendidas e os problemas solucionados.

 

“Foram cortes no orçamento que deixam a reforma agrária por um fio. Dentre eles, cortes no orçamento para obtenção de terra, que é o coração da reforma agrária, na produção de alimentos e no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) de mais de 70%. E, agora, nesta medida provisória para resolver a questão do valor do diesel, o governo corta mais R$ 32,5 milhões. Então, nós fazemos um apelo ao Incra nacional e ao governo federal, que está acabando com todos os programas”, disse João Daniel.

 

O deputado ainda destacou em seu registro a luta dos trabalhadores rurais pela liberação e regularização de cestas básicas para as famílias acampadas, bem como a demarcação e parcelamento das áreas já desapropriadas e a luta pela continuidade das ações do programa de Assistência Técnica, Social e Extensão Rural, que estão paralisadas desde 16 de agosto de 2016.  “É importante lembrar que a Ater ajuda a organizar a produção, elevando a produtividade rural, apoiando a gestão e a qualificação de mais de 300 associações e cooperativas da agricultura familiar e da reforma agrária em todo o estado, para participarem dos mercados institucionais e privados”, frisou o deputado.

 

Por Whagner Alcântara

Foto: MST