João Daniel ressalta importância das obras de Karl Marx, em sessão que comemorou 200 anos do revolucionário


Aracaju, 06 de junho de 2018

 

 

O deputado federal João Lula Daniel (PT) participou da sessão solene, realizada nesta quarta-feira, dia 6, na Câmara dos Deputados em homenagem aos 200 anos do filósofo, pensador e revolucionário alemão Karl Marx. O parlamentar parabenizou o deputado Orlando Silva (PCdoB) pela iniciativa e destacou a importância do legado deixado por Marx. João Daniel ressaltou que suas obras estão mais vivas do que nunca e que só o conhecimento liberta.

 

“Cada dia mais é fundamental estudar as obras de Marx. Nosso partido tem uma origem na defesa da justiça e da libertação. A elite brasileira e mundial sempre teve medo das obras de Marx, porque elas libertam e dão às pessoas a possibilidade de enxergar, de compreender a realidade e de ver possibilidade de mudar sua realidade. Quando ele diz “Proletários de todo mundo, uni-vos”, não há frase mais atual que essa. Aqueles que produzem a riqueza têm que ser donos dos meios de produção”, ressaltou.

 

João Daniel lembrou que a direita atrasada, reacionária quando fala em Karl Marx os discursos são muito parecidos aos quando falam sobre Cuba e Venezuela, com ideias fascistas, porque não aceitam que outros países possam construir seus projetos, desenvolverem sua sociedade. “Toda crítica sobre a sociedade venezuelana é porque o governo Hugo Chavez conseguiu, em poucos anos, transformar aquele país, pondo fim ao analfabetismo e levando a um progresso onde as classes oprimidas passaram a ter voz e vez e ser parte daquela sociedade, não apenas como o sistema capitalista quer, no máximo de quatro em quatro anos, participar de uma eleição para eleger candidatos numa disputa com forte poder do poderio econômico e dos meios de comunicação”, observou.

 

Karl Marx: suas obras cada dia mais vivas do que nunca

Falando em nome da bancada do Partido dos Trabalhadores, João Lula Daniel ressaltou que as obras de Marx estão mais vivas do que nunca e quem não aceita que o povo tenha conhecimento sobre suas obras são aqueles que a conhecem. “A elite conhece, mas não quer que a classe trabalhadora tenha acesso ao conhecimento, porque quem tem conhecimento se liberta. Só o conhecimento liberta e este é o grande problema do mundo”, disse.

 

Ainda em seu discurso, o deputado relatou que há um mês teve a oportunidade de visitar, na praça administrativa de Bruxelas, na Bélgica, numa viagem a serviço do Parlamento, a casa onde Marx escreveu parte do Manifesto Comunista e lá ver lá a placa dos ideais dos comunistas, dos marxistas. “Nosso líder Luiz Inácio Lula da Silva, preso político, representa essas ideias, ideias libertárias, de pátria grande, ideias de Marx, de homens que deram a vida, que foram perseguidos, sofreram, mas deixam ideias. O Lula é uma ideia, o Marx suas obras estão escritas e são ideias de libertação, mais atuais do que nunca”, completou.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa