João Daniel repudia tentativa de criminalização do MST


 

Aracaju, 13 de abril de 2016

 

João Daniel foi levar solidariedade aos familiares de sem terra assassinados no Paraná

Na tribuna da Câmara, o deputado federal João Daniel (PT/SE) repudiou a tentativa de criminalização do Movimento do Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) feita por quarto parlamentares que usaram a tribuna para denegrir a imagem do movimento, na última segunda-feira, dia 11. Eles acusaram um trabalhador detido, em Brasília, com uma volumosa quantia de dinheiro na mochila de integrar o MST. “É uma vergonha que quatro parlamentares mentirosos tenham usado a tribuna para denegrir a imagem do MST. O trabalhador que foi detido era um trabalhador comum, que não participava de nenhuma organização, um trabalhador que recebeu a sua indenização trabalhista de 15 mil reais”, afirmou.

 

Em seu pronunciamento, João Daniel registrou a nota de repúdio divulgada pela direção do MST, no mesmo dia, esclarecendo o fato e contestando a mentira plantada pelos deputados. Segundo o parlamentar, o homem detido era um trabalhador, que foi levado à delegacia, onde esclareceu a origem dos R$ 15 mil encontrados em sua posse, fruto de uma indenização. “Agora, como eles não têm o que dizer, têm que mentir, têm que denegrir, é assim que funcionam os golpistas no Brasil! É assim que funcionam aqueles que não têm a verdade para falar! É assim contra o MST! É assim contra os que lutam! E é assim que estão fazendo com a presidenta Dilma Rousseff! Eles querem retirar os direitos dos trabalhadores e não a presidenta Dilma”, declarou.

 

De acordo com o deputado, a tentativa de terceiro turno das eleições no próximo domingo será um golpe que vai ser registrado na história do Brasil. “Nós tivemos o primeiro turno, o segundo turno e ganhamos. No terceiro turno, o povo não participará. Participarão apenas os deputados, aqueles que querem retirar às leis trabalhistas, aqueles que querem a terceirização, aqueles que querem retirar o Bolsa Família, aqueles que querem retirar o Prouni, aqueles que querem retirar o direito conquistado dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. Essa é a realidade”, frisou João Daniel.

 

Na oportunidade, o deputado registrou solidariedade às famílias dos trabalhadores sem terra mortos na última quinta-feira, numa ação da polícia e jagunços da empresa Araupel, em Quedas do Iguaçu, no Paraná. Foram assassinados Vilmar Bordim e Leomar Bhorbak. “Fui até lá no sábado levar minha solidariedade àquelas famílias e cobramos que esse caso seja apurado, para que os responsáveis sejam punidos”, disse o deputado.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa