João Daniel repudia ataques a hospital dos Médicos sem Fronteiras


 

Aracaju, 7 de outubro de 2015

Na tribuna da Câmara, o deputado federal João Daniel registrou sua indignação com o ataque da força aérea norte-americana a um hospital da organização internacional Médicos sem Fronteiras (MSF), em Kunduz, no Afeganistão, no último sábado. Ao todo, 22 pessoas foram mortas no ataque, entre pacientes adultos, três crianças e membros da ONG. João Daniel solicitou que a Casa não aceite esse tipo de ataque e saia com uma nota de repúdio contra a política imperialista.

 

Para João Daniel, esse ataque covarde faz parte da política imperialista americana. Ele lembrou os ataques feitos à Líbia, inclusive com a destruição do país e assassinato do presidente, além do ataque anterior ao Iraque, sob a alegação de que o país tinha desenvolvido bombas e armas. “Tudo mentira! Destruíram o país para roubar o petróleo do povo iraquiano. Assim fazem em todas as partes do mundo”, declarou, ao acrescentar que é preciso que o presidente Barack Obama – por quem tem respeito pela sua história e pela política que tem desenvolvido no país – tome as devidas providências. “Isso é vergonhoso! Nós não podemos aceitar. Repudiamos esse comportamento”, completou.

 

Em seu pronunciamento, João Daniel lembrou a frase do revolucionário Ernesto Che Guevara em que disse que “não podemos aceitar nenhuma injustiça cometida contra qualquer pessoa em qualquer parte do mundo”. O deputado ressaltou que espera que o embaixador dos Estados Unidos no Brasil respeite e compreenda que o Brasil não aceita de cabeça baixa esse tipo de ação assassina, cometida por essa política imperialista. Ele acrescentou que espera que o Brasil continue com uma política internacional independente, atento a todos os fóruns internacionais, para não aceitar calado e para ajudar a construir um mundo diferente, de paz e de justiça. O parlamentar prestou solidariedade aos médicos e ao povo afegão, que tem sofrido permanentemente esses ataques.

 

A Organização das Nações Unidas (ONU) condenou o bombardeio ao hospital e considerou o ataque como um crime de guerra, caso tenha sido intencional. Segundo informações do MSF, o ataque contra o hospital prosseguiu por mais de 30 minutos, mesmo após a ONG ter avisado aos Exércitos dos EUA e do Afeganistão que o local estava sendo atingido por projéteis. O governo norte-americano informou que uma investigação está sendo feita para apurar o trágico incidente.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa