João Daniel pede solução para falta de moradia urbana


O deputado estadual João Daniel usou a tribuna nesta terça-feira para destacar as comemorações de cinco anos de criação do Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (Motu) e parabenizar os integrantes do movimento pela defesa do direito à moradia. O parlamentar destacou a participação do movimento pela conquista da casa própria no município de Barra dos Coqueiros.

João Daniel disse que o Motu nasceu em 10 de agosto de 2007 a partir da ocupação Ana Patrícia – nome dado em homenagem a uma integrante do MST que faleceu em 2005 em um acidente de moto ocorrido na cidade de Canindé do São Francisco. O parlamentar citou a luta do movimento na Barra dos Coqueiros, onde enfrenta grupos empresariais e a própria Justiça para garantir moradia às famílias de trabalhadores pobres.

“Na Barra dos Coqueiros vemos ali condomínios de famílias ricas, mas defendo que haja moradia para os trabalhadores, para as famílias pobres”, explicou João Daniel. O deputado disse que nesta quarta-feira vai trazer ao Plenário quatro indicações – endereçadas à Caixa Econômica Federal, à presidente Dilma Rousseff, ao Ministério das Cidades e ao governador Marcelo Déda – que pedem soluções para o problema da falta de moradia, bandeira de luta do Motu.

Segundo o parlamentar, o governo tem um projeto importante na área habitacional, que é um conjunto com 256 unidades que serão construídas em Nossa Senhora do Socorro. Para ele, o projeto é fruto de muitas lutas do Motu, movimento formado por trabalhadores sem moradia. “Lutam pelo direito mais sagrado que existe, que é o direito a ter uma casa”, explicou.

João Daniel disse que o Motu vem se consolidando no Estado como um movimento de luta, que enfrentou muitas dificuldades para se implantar e superar problemas como a burocracia e a má vontade da Justiça com as questões ligadas aos movimentos populares. De acordo com o deputado, a Justiça sempre age em favor de grandes empresas e grandes empresários. “Existem grandes terrenos, mas todos servem apenas à especulação imobiliária. Há uma dificuldade grande dessas famílias conseguirem ser beneficiadas com esse programas habitacionais”, destacou o parlamentar, que lamentou a forma como são feitas as escolhas dos novos moradores das unidades habitacionais.

 

Dilson Ramos, da Agência Alese (www.agenciaalese.se.gov.br)
Foto: Maria Odília/Agência Alese