João Daniel participa de seminário que discutiu participação social na gestão cultural


Aracaju, 17 de julho de 2015

Agentes culturais, artistas, representantes de movimentos sociais e estudantes participaram do seminário que debateu a participação social na gestão cultural, com ênfase no processo de renovação dos Colegiados Setoriais. O evento, que foi realizado na tarde dessa sexta-feira, dia 17, no auditório da Biblioteca Pública Epifânio Dórea, teve o apoio do mandato do deputado federal João Daniel (PT) e contou com a presença do secretário de Articulação Institucional do Ministério da Cultura, Vinícius Wu. Durante o seminário foi tratado ainda sobre a participação de representantes da sociedade civil das áreas técnico-artísticas e do patrimônio cultural no Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC).

 

Também participaram do seminário a deputada estadual Ana Lúcia (PT), que é presidente da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia; o secretário de Estado da Cultura, Elber Batalha Filho; a presidente da Fundação de Cultura de Aracaju (Funcaju), Aglaé d’Ávila Fontes; o presidente do Sindicato dos Músicos de Sergipe (Sindimuse), Tonico Saraiva; o mestre Zé Rolinha e Malva Malvar, representantes de Sergipe no CNPC; e Bárbara Cristina dos Santos, loxa; entre outros atores da cultura sergipana.

 

O secretário do MinC tem percorrido vários estados do país buscando estabelecer um diálogo direto com a sociedade, as autoridades locais, secretários, parlamentares, para não apenas compartilhar informações das políticas culturais desenvolvidas, mas também informar gestores e cidadãos a respeito do calendário do Ministério para esse segundo semestre. “Nessas visitas buscamos também recolher impressões a respeito das atividades que temos desenvolvido, no sentido de aperfeiçoá-las, pois acreditamos que a gestão pública tem que ser feita através do diálogo democrático com a sociedade e esses momentos são importantes para fazermos uma avaliação de nossas iniciativas”, declarou Wu.

 

O deputado João Daniel (PT/SE) classificou como muito importante que o governo federal tenha no Ministério da Cultura um grande programa e ele precisa ser divulgado nos estados. “Estamos aqui em Sergipe com o secretário Vinicius Wu e isso é fundamental para os movimentos sociais, populares, sindicais, governo do Estado e prefeituras, para que possam participar, acessar, debater e ajudar a organizar essa política de cultura do governo federal, que é uma política muito importante de inclusão e participação”, destacou, ao ressaltar o comprometimento do ministro da Cultura, Juca Ferreira.

 

Ele acrescentou que é com muita satisfação que contribuía nesse trabalho de divulgação, colaborando para a valorização da cultura, especialmente a cultura sergipana, seja ela de artistas, poetas, trovadores e representantes da cultura popular. O deputado colocou o mandato parlamentar à disposição, para ajudar a defender na Câmara os grandes projetos da área da Cultura, assim como a bancada do Partido dos Trabalhadores.

Secretário Vinicius Wu está percorrendo vários estados do Brasil

Editais

Durante o seminário, o secretário Vinicius Wu informou sobre o edital que o MinC lançará em breve do Sistema Nacional de Cultura, que estará aberto para apresentação de projetos por parte dos municípios. Vinicius ressaltou que esse é um ano importante para a cultura, de retomada de incentivo de uma política cultural. “Temos consciência que temos muito que avançar, mas precisamos reconhecer os avanços já alcançados”, disse, ao citar a gestão nacional da cultura, aprovação do Plano Nacional de Cultura e o Conselho Nacional de Política Cultural, “de modo que a gestão cultural deu um salto. Hoje temos um conjunto de programas, projetos e ações que se distribuem por todo país”, completou.

 

O secretário acrescentou que o Ministério busca, a partir desse diálogo nos estados, ter um olhar mais crítico sobre as diferenças que ainda é preciso enfrentar. Um desses desafios, disse ele, é o financiamento da cultura. “Se quisermos ter uma política democratizada precisamos mudar o atual modelo de cultura que há hoje”, ressaltou, observando que hoje grande parte dos recursos públicos de financiamento ficam concentrados em estados do Sudeste. Para ele, cultura tem que ser vista como um elemento estruturante. “Queremos uma ampla divulgação e por isso é importante que a Assembleia Legislativa possa ajudar nisso, os deputados federais, as Secretarias de Cultura, para que tenhamos uma maior capacidade de apresentação de processos e maior captação de recursos para o Nordeste e para Sergipe”.

 

Para o secretário Elber Batalha, a vinda do secretário Vinicius Wu a Sergipe tem o caráter de democratizar com os agentes culturais sergipanos a forma de participação no Conselho Nacional de Política Cultural doo MinC, de forma que se torne mais efetiva a nossa participação nesse Conselho. “Apesar de ser extremamente rico culturalmente, o Nordeste, nas políticas públicas e aporte de recursos, ele é claramente menos priorizado pelos grandes patrocinadores e também por algumas políticas públicas e essa inserção de nossos agentes culturais visa propiciar esse equilíbrio”, disse.

 

Política social

A deputada Ana Lúcia ressaltou a importância do seminário e disse que é fundamental que se encampe a luta em relação ao Fundo de Cultura. Para ela, não tem como se discutir o desenvolvimento de uma nação sem discutir as políticas sociais como cultura, educação, lazer, esporte, que precisam ser articuladas.

 

O presidente do Sindicato dos Músicos, Tonico Saraiva, falou das dificuldades dos artistas em acessar os fundos que vêm para a Cultura e apresentou algumas reivindicações da categoria. Saraiva parabenizou o mandato de João Daniel por ter convidado o Sindimuse para participar dessa importante discussão.

 

Para Malva Malvar, representante sergipana no Colegiado de Música do CNPC, o seminário foi muito importante porque é preciso que a sociedade tenha noção do que é fazer políticas públicas na cultura. Ela apontou como uma das dificuldades mais recorrentes que existem para participar dos editais a ausência da profissionalização do terceiro setor, associações e sindicatos porque não dialogam seus estatutos com a área contábil. “Às vezes a Associação faz um projeto muito bonito, mas não é aprovado porque quando passa na Receita Federal não está a atividade como descrita lá”, explicou.

Ao final das explanações, os participantes puderam interagir. Eles relataram experiências vividas na produção cultural em Sergipe, expuseram as principais dificuldades encontradas e apresentaram questionamentos relacionados à área, que foram respondidos pelo secretário do Ministério da Cultura, Vinicius Wu.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Fotos: Márcio Garcez