João Daniel parabeniza Graziano por reeleição para FAO e destaca importância de ações no combate à fome


Aracaju, 09 de junho de 2015

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) destacou, durante a sessão da Câmara dos Deputados desta terça-feira, dia 9, a reeleição do brasileiro José Graziano da Silva como diretor geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). Na eleição, realizada no final da última semana, durante a 39ª Conferência da FAO, em Roma, dos 182 delegados, 177 garantiram a reeleição de José Graziano.

 

João Daniel apresentou requerimento (2067/2015) solicitando o envio de Moção de Congratulação a José Graziano da Silva por sua reeleição para dirigir a FAO. “O trabalho de José Graziano foi importantíssimo, não só para o Brasil, mas para todas as nações subdesenvolvidas em desenvolvimento do Mundo que ainda lutam para acabar com a fome”, registrou o deputado petista.

 

Para o parlamentar, a FAO, que cuida da alimentação e da agricultura no mundo, é uma organização muito importante. Na sua avalição, é um destaque o Brasil estar no seu segundo mandato com um dos homens que, juntamente com o governo do presidente Lula, iniciou a grande luta do combate à fome, fez parte da criação do programa Fome Zero.

 

Graziano, que é agrônomo, professor e escritor, foi ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome, no primeiro Governo Lula, tendo elaborado e coordenado as ações do Programa Fome Zero. João Daniel destacou que o próprio presidente Lula abriu a Conferência, narrando a experiência do seu Governo e da presidenta Dilma nas ações de combate à fome no Brasil, destacando a grande contribuição que o diretor geral da FAO desenvolveu no país e da continuidade que o programa vem tendo no Brasil.

 

“No seu discurso Lula destacou que as organizações não governamentais cumprem, sem dúvida, um papel muito importante nas ações contra a fome e a pobreza no mundo. Mas, afirmou também que este combate exige fontes permanentes de financiamento e que deve ser uma política de Estado. De certa forma essa política de Governo assumiu o modelo de política de Estado, e as ações de Graziano foram o embrião de nossas lutas”, disse.

 

João Daniel destacou que o Programa Fome Zero colocou a conquista da segurança alimentar no centro da agenda do Governo e é o cerne do progresso que levou o país a alcançar tanto as Metas do Milênio quanto as metas da Cúpula Mundial de Alimentação (WFS). Ele lembrou que, de acordo com o relatório da “ONU – O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo – 2015”, os programas atuais de erradicar a pobreza extrema no país são construídos sobre a abordagem de ligar as políticas de agricultura familiar com a proteção social de uma forma altamente inclusiva.

 

Como um dos grandes produtores de alimento no mundo, o Brasil sofria com a fome, não porque faltasse alimentos, mas pela forma como era feita a distribuição de renda no país, com uma concentração que impedia de chegar o alimento à mesa dos mais pobres. “Era preciso desenvolver políticas sociais voltadas para a inclusão social, eram necessários investimentos públicos e uma ação integrada entre Governo e sociedade”, disse, ao lembrar de importantes programas que contribuíram significativamente para a redução da pobreza como o Bolsa Família, Brasil sem Miséria e o Mais Médicos, alvo de muitas críticas.

 

“O Brasil tornou-se nos últimos anos referência mundial em políticas públicas de combate à fome e redução da pobreza – acumulou uma série de experiências que servem como uma espécie de modelo para tratar o problema, servindo também de referência para o combate à fome no mundo”, frisou, ao desejar sucesso a José Graziano na sua nova gestão à frente da FAO.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa