João Daniel parabeniza governador de Sergipe por instalação da Comissão Estadual da Verdade


Aracaju, 06 de julho de 2015

 

Integrantes da Comissão da Verdade e o governador Jackson Barreto

O deputado federal João Daniel (PT/SE) parabenizou o governador Jackson Barreto pela instalação da Comissão da Verdade em Sergipe. Para o deputado, é preciso que o Estado passe a limpo sua história para que saiba o que realmente aconteceu durante o período da ditatura militar. “Parabenizo-o por essa iniciativa, que também foi uma reivindicação minha enquanto deputado estadual”, disse, ao afirmar que acredita nas pessoas indicadas para compor a Comissão.

 

A Comissão Estadual da Verdade, que leva o nome do jornalista Paulo Barbosa, em homenagem a um dos vários sergipanos perseguidos pelo regime militar, é presidida pelo ex-reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Josué Modesto dos Passos Subrinho, e conta ainda com a participação de professores e pesquisadores reconhecidos por vasta sua experiência. São eles: Helder Bezerra Teixeira, Gilberto Francisco dos Santos (Gilfrancisco), José Vieira da Cruz, Andréa Depieri, Gabriela Rebouças e José Afonso Nascimento.

 

“Esperamos que esta Comissão, assim como outras que já foram instaladas no país ao longo dos últimos anos, cumpra o seu papel cívico de não apenas obter, analisar documentos e ouvir vítimas, mas que tenha a coragem de revelar para a sociedade os inúmeros casos de violação de direitos humanos, divulgando os nomes de todos os envolvidos para que se possa restabelecer a justiça”, afirmou João Daniel.

 

O deputado lembrou que em maio de 2009 o governo federal instalou a Comissão Nacional da Verdade, que concluiu seu trabalho em dezembro do ano passado, com relatos de crimes graves praticados por agentes públicos no período de 1964 a 1988, com especial atenção para os crimes cometidos entre 1964 e 1985. Segundo João Daniel, embora não se tenha registro de assassinatos em Sergipe, há que se esclarecer muito a respeito das perseguições, prisões e torturas que ocorreram a partir do dia 1º de abril de 1964, com a deposição do então governador Seixas Dória, além da Operação Cajueiro.

 

Essa operação foi desencadeada por ordem do general Adyr Fiúza de Castro, que comandava a 6ª Região Militar e enviou uma força especial da Bahia para prender, inicialmente, 25 sergipanos, dentre eles o então deputado estadual Jackson Barreto, além do ex-vereador Antônio Góis (Goisinho), Rosalvo Alexandre e outros. “Não podemos nos esquecer que muitas dessas vítimas ainda convivem com as sequelas do que sofreram nos porões do 28º Batalhão de Caçadores, em Aracaju, a exemplo de Milton Coelho e Wellington Mangueira. Que a Comissão da Verdade cumpra efetivamente o seu papel histórico”, declarou João Daniel.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: ANS