João Daniel leva apoio e solidariedade a sem-terra que ocupam Ministério da Fazenda


Aracaju, 04 de agosto de 2015

O deputado federal João Daniel (PT/SE), juntamente com outros parlamentares, participou do ato que aconteceu na ocupação realizada por sem-terra ao Ministério da Fazenda. Ele levou seu apoio e solidariedade ao movimento, que está mobilizado em todo país contra o ajuste fiscal com cortes para os recursos destinados à reforma agrária. Na sessão da Câmara dos Deputados dessa terça-feira, dia 4, João Daniel registrou essa luta de milhares de trabalhadores rurais em todo país.

 

A ocupação ao Ministério da Fazenda e às delegacias do MF nos estados faz parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em todo país. Segundo o deputado, essa ação tem como objetivo sensibilizar o governo federal para que faça um grande programa de reforma agrária para assentar todas as famílias acampadas que lutam pela reforma agrária no Brasil. Apenas em Brasília, em torno de 2 mil trabalhadores rurais participam da ocupação ao Ministério da Fazenda. O último balanço do MST apontava ocupações em 13 sedes do Ministério por todo país.

 

A principal reivindicação dos manifestantes diz respeito à reposição do corte orçamentário de quase 50% dos recursos para a reforma agrária, fruto do ajuste fiscal realizado pelo governo federal, seguindo os ditames do Ministério da Fazenda que tem se pautado de acordo com as políticas neoliberais que beneficiam o capital em detrimento de investimentos que cumpram o verdadeiro papel social que o povo espera.

 

João Daniel disse que todo o governo sabe e, de uma forma mais especifica, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, que são mais de 120 mil famílias acampadas no Brasil, esperando há mais de dez anos uma solução para o seu assentamento e o governo federal anunciou que iria assentar cerca de 120 mil famílias nos próximos quatro anos. “O próprio ministro Patrus Ananias disse que não se podia aceitar pessoas morando debaixo de lona. Confiamos na dignidade e nas boas intenções do ministro, louvamos a sua dedicação e a escolha de seus assessores, como foi o caso da nossa companheira Lúcia Falcón, pessoa que conhecemos de longa data e que temos certeza das suas boas intenções à frente do Incra. O que nos aflige, porém, é que com a destinação insuficiente de recurso no Orçamento, agravado pelos cortes anunciados, as metas traçadas não sairão do papel”, disse.

 

O deputado acrescentou que, apesar do cenário de enfrentamento e de luta de classes e a situação difícil do momento, confia na capacidade de reação do governo. “E acreditando no poder de mobilização da classe trabalhadora, nos associamos aos movimentos dos trabalhadores rurais na sua luta por melhores condições de vida”, disse, ao acrescentar que espera que possa ser traçado um plano de metas que garanta o assentamento das famílias que estão embaixo de lonas, com pelo menos 50 mil famílias sendo assentadas a cada um desses quatros anos e que se tenha um programa de reforma agrária que dê, realmente, o caráter social que a terra deve ter.

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Luiz Fernando