João Daniel é escolhido responsável por área do NE na Frente Parlamentar pela Educação do Campo


Aracaju, 26 de junho de 2015

O deputado federal João Daniel (PT/SE) foi escolhido pela Frente Parlamentar pela Educação do Campo como coordenador da área NE 1, que compreende os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Paraíba. Na última quinta-feira, dia 25, foi realizada a primeira reunião da Frente Parlamentar pela Educação do Campo, quando foi eleita a sua coordenação e discutido o plano de trabalho do segundo semestre de 2015.

 

A Frente Parlamentar tem como público de sua atuação os agricultores familiares, os extrativistas, os pescadores artesanais, os ribeirinhos, os assentados e acampados da reforma agrária, os trabalhadores assalariados rurais, os quilombolas, os caiçaras, os povos da floresta, os caboclos e outros que produzam suas condições materiais de existência a partir do trabalho no meio rural.

 

Para João Daniel entre as preocupações principais da Frente estão propor e acompanhar a tramitação de matérias legislativas no Congresso Nacional e nas demais casas legislativas que contribuam para a implementação de políticas públicas relacionadas à educação do campo, além de promover debates e propor ações estratégicas sobre a educação do campo vinculadas ao projeto de desenvolvimento sustentável do país.

 

A Frente é coordenada pelo deputado Padre João (PT/MG), com coordenações regionais em todo o Brasil. Além de parlamentares, também participam da Frente o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Via Campesina, Contag, entre outros movimentos populares, sindicais e sociais, como também os órgãos públicos envolvidos com a educação no campo.

 

Também está entre os objetivos específicos da Frente Parlamentar pela Educação do Campo estão monitorar e fiscalizar as políticas públicas e ações governamentais que se relacionem com a educação do campo; promover o intercâmbio com parlamentares estaduais e municipais, entidades da sociedade civil, movimentos sociais e sindicais, instituições públicas, no sentido de potencializar a implementação de políticas públicas para a educação do campo; e dialogar com órgãos e entidades relacionados à educação do campo visando promover a cooperação e integração dos mesmos com o Congresso Nacional; entre outros.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa