João Daniel destaca atuação da coordenadora da Oncologia do Huse



Dilson Ramos, da Agência Alese (www.agenciaalese.se.gov.br)
O líder da bancada do PT na Assembleia, deputado estadual João Daniel, lamentou hoje a exoneração da coordenadora do setor de Oncologia do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), enfermeira Rute Andrade. O parlamentar disse que vinha acompanhando as discussões em torno da Oncologia do Huse e declarou aos colegas que a enfermeira vinha executando um excelente trabalho. “A equipe comandada por doutora Rute cumpriu uma tarefa difícil, revolucionária”, assegurou.

João Daniel disse que tem visto as mobilizações de profissionais da área de saúde, como médicos, em torno do assunto, e tem ainda acompanhado denúncias graves sobre problemas que afetam a área de Saúde no país inteiro, como o caso do Paraná, onde uma médica teria praticado eutanásia em seus pacientes. Para ele, Rute, que é servidora federal cedida ao Estado de Sergipe, cumpriu uma missão importante naquela unidade hospitalar. “Ontem recebi no meu gabinete uma comissão que representa mais de sessenta entidades que pediram uma intervenção para impedir a saída de Rute da Oncologia. Espero que a Secretaria de Saúde não ceda a setores conservadores, reacionários, que querem utilizar a Oncologia com objetivos políticos”, declarou o deputado. Segundo João Daniel, Rute teve ética, moral e dignidade no comando do setor.
O líder da bancada do PT disse que o grupo que a enfermeira comandou se destacou pela ‘humanidade’, mostrando como é possível transformar um dos locais mais difíceis de se dirigir num local repleto de carinho e atenção. “Ela deixará uma marca para as mães e crianças. Nenhuma outra deu tanto amor e carinho, sempre procurou, através do SUS, fazer um excelente trabalho. Espero que o governador não ceda aos grupos que querem a Oncologia do Huse para interesses econômicos e políticos. A Saúde tem problemas em todos os Estados, a população aumenta e aumentam os casos de câncer”, comentou. João Daniel disse ainda que quando Rute assumiu em 2007, a Oncologia não tinha cirurgião plástico, hoje possui três. “A Oncologia não possuía ultrassonografia, hoje tem uma, não tinha ortopedista, cirurgião vascular, cirurgião de cabeça e pescoço, hoje tem, e encerra com ginecologistas, oncologistas pediátricos e urologistas”. O setor tinha 23 médicos e encerra com 51 médicos, lembrou

“A equipe criou programas como momento de oração e os momentos de festas. Ali nem sempre é um local animado, feliz, mas souberam transformar o local num ambiente mais humano. Ali se tratou o ser humano com carinho e mais respeito”, disse o parlamentar, que destacou o fato da Oncologia passar a notificar os casos aos familiares com uma atenção especial. “Quem recebe a notícia de que está com câncer sempre fica abalada, e a enfermeira Rute sempre soube tratar isso e garantir que a família recebesse a notícia de forma digna, humana”.

João Daniel declarou que espera que o abaixo assinado que pede a saída de Rute não seja de quem não gosta de trabalhar e lembra que é defensor do trabalho da coordenadora. “Não aceito qualquer tipo de pressão”. Os deputados Gilson Andrade, Antônio dos Santos e Adelson Barreto lamentaram a decisão do governo e consideram uma perda para o setor de Oncologia a saída de Rute. “Um trabalho revolucionário”, atestou Adelson, que vê a profissional como uma ‘bandeira positiva’ desse governo. “É uma perda grande a exoneração da enfermeira. Continuo sem entender”.