João Daniel desaprova MP 840 e lamenta campanha baseada em mentiras


Aracaju, 17 de outubro de 2018

 

 

O deputado federal João Daniel (PT) se manifestou desfavorável à aprovação da Medida Provisória 840, que tem como objetivo criar novos cargos comissionados para o Ministério da Segurança Pública. Pela MP, serão 164 cargos, de livre nomeação e que podem ser destinados a pessoas sem vínculo com a administração pública federal. Isso geraria um impacto ao Orçamento de R$ 14 milhões em 2018, R$ 19,4 milhões em 2019 e outros R$ 19,5 milhões em 2020. Segundo o parlamentar, o governo Temer, fruto de um golpe parlamentar, não tem legitimidade para continuar a enviar matérias à Casa.

 

“Quer criar mais cargos para um governo que já acabou, um governo que nasceu de um golpe, que fez, com a participação efetiva do PSDB e dos setores conservadores desta Casa, a criação do ódio no Brasil e a retirada à força de uma presidenta legítima, para tentar construir no Brasil um novo momento de ódio, de preconceito e de mentira, que é o que representa hoje esse projeto em curso desse candidato que representa o que há de mais atrasado, mais arcaico, mais fascista que a história do Brasil já teve;’, lamentou João Daniel.

 

O parlamentar ressaltou que é preciso que, nos próximos dias, a população brasileira, que tem amor aos seus filhos, que tem amor à sua Pátria, utilize toda a força de convencimento daquilo que precisamos fazer deste país, que precisa de um projeto nacional. Ele lembrou que, enquanto o presidente Lula mostrou o tamanho da referência internacional do nosso país, a elite e os setores conservadores querem a volta do complexo de vira-lata. “Esta eleição de segundo turno se divide entre a mentira e a verdade. O candidato do fascismo, que defende a tortura, que defende abertamente o preconceito e a matança, inclusive de inocentes, projeto este que não pode vencer neste momento histórico do Brasil”, disse.

 

Segundo o parlamentar, o governo Temer tem o seu candidato. Para ele, a continuidade do golpe é Bolsonaro. “Bolsonaro é o golpe, é o apoiador do golpe, é o criador desta vergonha que está se construindo no país: as fake news, a mentira, o ódio e o preconceito. Ele é mentiroso e medroso. Ele não tem coragem de ir para um debate. Eu já presenciei em Comissão a covardia que esse candidato tem. Ele não tem coragem para nada. Na primeira dificuldade, se for presidente, renunciará para que seu vice assuma, o que será verdadeiramente o golpe de Estado que os militares da reserva querem, que os conservadores ainda murmuram”, completou João Daniel.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Márcio Garcez