João Daniel denuncia que atual Ministério das Cidades em 2 meses não reuniu GT dos movimentos rurais


Aracaju, 13 de julho de 2016

 

O deputado federal João Daniel (PT/SE) participou, na manhã desta quarta-feira, dia 13, de audiência com o ministro interino das Cidades, Bruno Araújo, na Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara. Na ocasião, ele denunciou que nesses dois meses de governo provisório o Ministério das Cidades não se reuniu com o Grupo de Trabalho dos movimentos rurais e urbanos, criado pela ex-ministra da pasta, Inês Magalhães, para que tivessem voz, através da participação popular.

 

Para o parlamentar, o programa Minha Casa Minha Vida rural e urbano é uma das grandes conquistas do povo brasileiro nos governos Lula e Dilma Rousseff, juntamente com o Ministério das Cidades. Durante a reunião na Comissão de Desenvolvimento Urbano, o deputado questionou o ministro o porquê de não ter se reunido com esse Grupo de Trabalho nesses últimos 60 dias ao tempo em que o ministro tentou justificar pelo fato de ter como balizador na relação com a sociedade civil organizada o Conselho das Cidades. “Não aceitamos retrocesso. Apoiamos a luta dos trabalhadores do campo e da cidade pela moradia digna”, reafirmou João Daniel em discurso na sessão da Câmara.

 

Em seu discurso, o deputado ressaltou a importância do programa Minha Casa Minha Vida para milhões de famílias brasileiras, tanto das áreas urbanas quanto rural. Em sua abordagem ao ministro durante a audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Urbano, João Daniel questionou ainda a retirada de um item do artigo da portaria publicada ainda com a ministra Inês Magalhães referente ao atendimento às pessoas deficientes na construção dos empreendimentos, para atender as suas necessidades especiais.

 

O deputado destacou as conquistas do programa MCMV durantes os governos Lula e Dilma e como o programa contemplou municípios em todos os cantos do país, tanto em áreas urbanas quanto rurais, pequenos municípios quilombolas, indígenas e assentamentos. Citou o caso do município de Estância, na região sul de Sergipe, onde hoje existem duas mil unidades para serem entregues. “Espero que o governo que aí está não retire o que já foi conquistado pelos movimentos sociais urbanos”, apelou, acrescentando que o MCMV entidades é uma conquista histórica que precisa ser melhorado, mas que que precisa ser garantida sua continuidade.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Fotos: Márcio Garcez