João Daniel defende e apoia mobilizações que estão acontecendo no país


O deputado João Daniel afirmou, em discurso feito no grande expediente da sessão desta terça-feira, dia 18, que vem acompanhando e analisando o movimento reivindicatório que ganhou as ruas de várias capitais e grandes cidades do país nos últimos dias. A série de mobilizações foi iniciada na cidade de São Paulo, com o Movimento Passe Livre, movimento este que o parlamentar disse ter visto sua criação. O deputado afirmou que entende como uma boa iniciativa essa reivindicação dos movimentos, especialmente da juventude.

 

“Não tenho nada em contrário. O grande papel da militância e partidos de esquerda é estar junto e acompanhar, pois as grandes mudanças surgiram das grandes mobilizações”, destacou João Daniel. Ele observou que as atuais mobilizações do Movimento Passe Livre no Brasil passaram a ser mais conhecidas exatamente por conta da grande quantidade de pessoas que se mobilizou nas grandes cidades e capitais brasileiras nos últimos dias, principalmente em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. O deputado disse que ontem, em várias cidades as mobilizações ganharam corpo, incluindo várias capitais da região Nordeste.  Em Sergipe, para a próxima quinta-feira está marcado um ato.

 

Segundo o deputado, pelo que se tem acompanhado, mas mobilizações que estão sendo realizadas pelas ruas de tantas cidades não se tratam apenas de um movimento pela questão de R$ 0,20 a mais ou a menos no preço das passagens do transporte coletivo. “A grande questão debatida é o grave problema dos centros urbanos. Tem estudos que mostram que uma parte da população trabalhadora, principalmente os que mais utilizam o transporte público, ao final da soma, passa de 10% a 15% de sua vida morando dentro dos ônibus e transporte urbano”, disse João Daniel, acrescentando que grande parte dos veículos desse transporte é de péssima qualidade. Ele disse que acompanha essa questão e sabe que durante muito tempo os poderes públicos não tiveram força para exigir das empresas melhores condições para que oferecessem aos usuários e não houve financiamento para essa melhoria.

 

O deputado João Daniel afirmou que este é um momento importante em que a juventude e a população em geral vão à rua para cobrar e protestar. Ele lamentou que na cidade de São Paulo tenha tido, na última quinta-feira, confronto entre manifestantes e policiais. O parlamentar disse que a repressão feita pela Polícia Militar de São Paulo foi pública e mostrada para o mundo inteiro, agredindo, inclusive, jornalistas. Só da Folha de São Paulo foram cerca de oito que tiveram ferimentos, alguns deles causados por balas de borracha. “O mundo inteiro assistiu essas cenas, tanto que gerou manifestações em várias partes do mundo”.

 

João Daniel disse que apesar dos grandes avanços obtidos nos oito anos de Governo Lula e nos dois e meio de Dilma Rousseff, importantes mudanças estruturais no país ainda não foram feitas e hoje as manifestações chamam a atenção para elas. O deputado petista disse que não vê como negativo as vaias que foram dadas no estádio no último sábado, na abertura da Copa das Confederações com a presença da presidente da República. Para ele, este é um alerta para a situação que vivemos e para que quem estar no governo esteja atento a isso, “pois temos um povo que cobra outras reivindicações, além das normais, que é o aumento de salário e melhores condições de trabalho”, acrescentou.

 

Outras questões

Segundo o deputado João Daniel, dentro dessa análise, é preciso que se observe como importante questão a ser discutida a grande crise urbana que se vive, resultado das políticas equivocadas ao longo da história de formação das cidades, das metrópoles, situação que se agravou nos últimos 30 anos. Isso, disse ele, se manifesta na especulação imobiliária que nos anos mais recentes fez aumentar em 180% o preço do metro quadrado. “E com isso o trabalhador para ter acesso a um terreno tem que ser fora dos centros urbanos, fora de onde há os serviços prestados e isso gera esse tempo gasto por ele para chegar ao trabalho e acaba ficando mais tempo dentro do transporte público para chegar ao trabalho, escola, universidade”, analisou.

 

Além disso, destacou o deputado, há outros fatores que contribuem para esse panorama de crise urbana que se vive, especialmente no trânsito, causado pela avalanche de financiamento de veículos, aumentando o número deles nas ruas. “Há uma falta de investimento em todos os Estados no transporte público. É necessário democratizar toda vida nas cidades”, disse.

 

João Daniel frisou que por esses e outros motivos é que a questão que está sendo levada pelos manifestantes às ruas é muito mais profunda que apenas o aumento das tarifas do transporte público. Isso mostra, destacou, que há sinais de uma insatisfação social hoje em todo país. “Há sinais evidentes de que há certa insatisfação social sobre toda essa situação. E isso aparece de várias formas, a principal são as grandes manifestações, os atos nos estados, grandes greves no Brasil inteiro. Aqui estamos tendo a dos vigilantes, tivemos a da construção civil e de outras categorias”, observou. O deputado acrescentou que há também, sem dúvida, por conta das políticas do Governo Lula, uma nova geração da juventude que está dentro das universidades, geração que tem um novo pensamento, que cobra outras questões importantes.

 

Ele disse que, diante de tudo isso, tem a clareza de que é preciso estar junto apoiando essas manifestações que exigem mais democracia, conquistas e melhores condições de vida para a classe trabalhadora. “Queremos participar e estamos junto, enquanto nosso mandato, para que possa ser construído em Sergipe, com as centrais sindicais e movimento populares, grandes mobilizações unitárias populares, que cobrem melhores condições de vida, de transporte, para nossa população e possa com isso também construir uma pauta unitária conjunta”.

 

Pauta nacional

O deputado João Daniel disse que entre os pontos nacionais de luta estão questões importantes como o projeto de lei de iniciativa popular que trata da democratização dos meios de comunicação. Outra questão importante destacada pelo parlamentar é a necessidade de reforma política. No entanto, observou João Daniel, os resultados do Congresso Nacional nesse tema não passam de debates e discussões, sem nenhuma mudança significativa.

 

Também citou dentro dessa pauta a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do país para a Educação. Também elencada a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais e fim da privatização na área do petróleo, entre outros pontos.

 

Apartes

O deputado Gilson Andrade (PTC) aparteou o colega João Daniel para parabenizá-lo pelo discurso, por trazer um tema tão atual e oportuno como as manifestações. Ele também observou que não se trata uma luta por apenas R$ 0,20. “O senhor está tendo a coragem de criticar seu próprio governo que está privatizando a Petrobrás, que não investiu em São Paulo, que não investiu na saúde ao longo dos anos, não investiu em mobilidade, não teve coragem de aprovar reformas importantes, como a política e tributária, embora tenha maioria no Congresso”, disse.

 

Também aparteou o pronunciamento o deputado Garibalde Mendonça (PMDB), para se somar ao discurso e disse que o colega estava certo ao falar das manifestações populares reivindicatórias, apesar dos avanços obtidos no Governo Lula e Dilma. “Temos pontos positivos nesse governo, mas as manifestações mostram o posicionamento do povo. É um movimento justo, que o povo mostra suas reivindicações e serve de alerta”.

 

O deputado Arnaldo Bispo também em aparte parabenizou João Daniel pelo discurso e disse que nessas manifestações a juventude está mostrando sua insatisfação com algumas coisas que vêm acontecendo no país, não apenas em relação ao aumento de R$ 0,20 na tarifa do transporte público.

 

João Daniel finalizou seu pronunciamento dizendo que o governo do Partido dos Trabalhadores promoveu muitos avanços no país, mas a militância do PT e dirigentes de movimentos sociais devem estar atentos e engajados, apoiando todas essas lutas que fazem parte da construção da sociedade brasileira mais justa. “Não concordamos com quebradeira. Queremos mobilizações justas e pacíficas”, concluiu.
 Edjane Oliveira, da Assessoria Parlamentar