João Daniel apresenta projeto para regularizar vaquejadas e defende continuidade da atividade


Aracaju, 17 de outubro de 2016

 

Ato em defesa das vaquejadas realizado no último domingo na Orla de Aracaju

O deputado federal João Daniel (PT/SE) apresentou Projeto de Lei 6298/2016 na Câmara que tem como objetivo regularizar a realização de vaquejadas e corrida de jegue, reconhecendo-as como atividades culturais. Esses eventos já são tradição em vários estados brasileiros, especialmente na região Nordeste, inclusive aqui em Sergipe, onde são realizados e envolvem várias pessoas nessa atividade. Um grande debate tomou conta do país depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou inconstitucional a realização das vaquejadas.

 

Ao apresentar a propositura para ser discutida e aprovada na Câmara, o deputado João Daniel tem como objetivo fazer com que a realização das vaquejadas e atividades semelhantes sejam realizadas e sua cultura seja mantida, mas que também sejam garantidos todos os cuidados aos animais que delas participam. “Defendemos que os animais devem ter todos os cuidados, mas defendemos que essa atividade faz parte da história e cultura e envolve todo país, especialmente a região Nordeste, por isso estamos na luta em defesa da vaquejada, em especial no Nordeste”, disse o deputado.

 

Em discurso realizado na sessão desta segunda-feira, dia 17, na Câmara, João Daniel registrou o ato realizado, ontem, dia 16, na Orla da praia de Atalaia, em Aracaju, que reuniu milhares de participantes, entre vaqueiros, veterinários, organizadores das vaquejadas e associações que defendem a realização dessa atividade. “Foi uma grande manifestação para chamar a atenção para a realização das vaquejadas, que contou com vaqueiros, aboiadores, cavalos, cantores, e já estão preparando outra nos municípios em que elas são realizadas e também em Brasília”, acrescentou João Daniel.

 

O projeto

O Projeto de Lei PL 6298/2016, apresentado na última semana pelo deputado federal João Daniel, dispõe que tanto a vaquejada quanto a corrida de jegue sejam consideradas atividades culturais. Nesse sentido, estabelece que para possibilitar a realização dos eventos serão obrigatórias algumas medidas como: todos os animais só poderão participar mediante laudo veterinário e acompanhamento do mesmo antes, durante e depois dos eventos. Esses veterinários deverão, obrigatoriamente, ser credenciados por órgãos estaduais e federais ligados ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento ou ao Ministério do Meio Ambiente, ou as Secretarias de Agricultura Estaduais e/ou Municipais.

 

O PL estabelece ainda que será garantido o acompanhamento e fiscalização por parte das entidades da sociedade civil de defesa dos animais e que será obrigatório que o local para a realização dos eventos tenha instalações que garantam o bem-estar dos animais, de forma a garantir o mínimo de estresse causado durante os eventos. “O que queremos é que esses eventos, que já fazem parte da tradição, sejam considerados atividades culturais, mas, ao mesmo tempo, tenhamos regras que garantam o bem-estar e a saúde dos animais que participam das vaquejadas e da corrida de jegue. São eventos com anos de tradição, que envolvem milhares de famílias que vivem inclusive dessa atividade”, colocou. Estima-se que, anualmente, sejam realizadas em torno de 4 mil vaquejadas no país, movimentando aproximadamente R$ 600 milhões.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Márcio Garcez