Indicados por João Daniel recebem título de cidadão sergipano da Assembleia


Aracaju, 24 de novembro de 2014

O vice-reitor foi um dos homenageados

O vice-reitor foi um dos homenageados

O vice-reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), André Maurício Conceição de Souza, e o servidor aposentado do Incra, Luiz Gonzaga da Silva, são os mais novos cidadãos sergipanos. Ambos foram agraciados com o título concedido pela Assembleia Legislativa em sessão especial ocorrida no início da noite desta segunda-feira, dia 24. A homenagem foi proposta pelo deputado estadual João Daniel (PT) e aprovada por unanimidade pelos colegas de parlamento.

 

A sessão especial, presidida pelo primeiro-secretário da Casa, deputado Adelson Barreto (PTB), foi prestigiada por vários deputados, familiares, amigos e algumas personalidades e autoridades. Entre os presentes, o reitor da UFS, professor Ângelo Antoniolli; o ouvidor de Direitos Humanos do governo do Estado, Elito Vasconcelos; a professora Osvaldina da Cruz, representando a Secretaria de Educação de Aracaju; o vice-prefeito da Barra dos Coqueiros, Cláudio Caducha; os dirigentes nacionais do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra em Sergipe, Gislene Reis e Gileno Damascena, entre outros.

 

Ao saudar os agraciados com o título, o deputado João Daniel falou da satisfação em ser o autor da homenagem a esses dois grandes homens que tanto contribuíram e contribuem com Sergipe. Ele também agradeceu aos demais colegas parlamentares que apoiaram e aprovaram as duas indicações. João Daniel lembrou que conheceu Gonzaga em 1987. “Esse grande homem, digno, um humanista, que orgulha todos os trabalhadores e trabalhadoras do Incra, que se aposentou, mas continua sua luta”, disse

 

Sobre o vice-reitor André Maurício, o deputado destacou que esse é um dos grandes pesquisadores, estudiosos que dá muito orgulho por sua história e compromisso ideológico e social. “Tudo isso nos fez pedir à Assembleia a aprovação desse título. Este é um homem que orgulha a todos que o conheceram e conhecem por sua história, seu compromisso, disciplina, entre tantos atributos”, frisou João Daniel, ao destacar seu orgulho por ter sido autor do projeto que concedeu esse título a esses dois merecedores de tamanha homenagem.

Luiz Gonzaga da Silva é um dos mais novos cidadãos sergipanos

Agradecimentos

O professor André Maurício, natural de Belo Horizonte (MG), foi o primeiro a subir à tribuna da Assembleia para agradecer a homenagem e o direito de ser sergipano a partir de agora. Bastante emocionado, o professor André Maurício disse estar realizando talvez o seu maior sonho: ser cidadão sergipano. Em sua fala, ele resgatou da memória alguns episódios marcantes do período em que vive em Sergipe e dividiu com os presentes alguns dos momentos especiais vividos aqui e a importância do Estado para sua vida.

 

Em seus relatos, André Maurício falou sobre como conheceu o deputado João Daniel, à época apenas o militante de movimento social, de quem tornou-se amigo e irmão. “Fico feliz por ter recebido dele essa indicação e feliz de ter contribuído e estar contribuindo com o MST, com o Motu, com todos movimentos populares”, disse, ao acrescentar que uma sociedade deve ser reconhecida pela forma como trata os menos favorecidos. “E agora vou dedicar minha vida como um sergipano e nordestino autêntico”, finalizou.

 

Também emocionado, Luiz Gonzaga da Silva, filho de Mossoró (RN), também fez seus agradecimentos diante do público que prestigiou a sessão especial da Assembleia. “Inicialmente agradeço ao deputado Joao Daniel por sua generosidade em descobrir em mim méritos que me habilitam a receber o tão honroso título de cidadão sergipano”, disse. Em sua fala, lembrou como veio viver em Aracaju, à época a convite do colega de Incra, Carlos Fontenele, para trabalhar aqui. “Poderia ter ido para o Rio Grande do Norte, para minha terra – Mossoró – para ali trabalhar, porém a acolhida deste povo querido, com sua singular hospitalidade, prendeu-me profundamente, ficando aqui”.

 

João Daniel foi o autor da proposta que homenageou ambos

Ele dedicou a honraria aos seus familiares que sempre lhe apoiaram, compreenderam e deram força na superação dos momentos difíceis, a exemplo de sua esposa, filhos, nora, genro e netos. Mesmo aposentado, ele disse que continuará à disposição, prestando serviços a esse estado que lhe acolheu generosamente conquistando não só seu coração, mas de toda sua família. “Só peço a Deus que jamais permita que minhas forças se esgotem enquanto eu puder trabalhar para o bem da minha pátria, em especial deste pequeno, mas significante estado de Sergipe”, declarou Gonzaga.

 

Histórico

O físico e pesquisador André Maurício de Souza, atual vice-reitor da UFS, nasceu no município de Belo Horizonte (MG), filho de Alexandrina Luz Conceição e José Carlos de Souza, em 1968. Na UFS, ingressou no curso de Engenharia Civil, mas a paixão pela teoria o levou a passar para o curso de Física, no qual se formou em licenciatura de Física e Bacharelado. Fez Mestrado e Doutorado em Física no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, CBPF, no Brasil, e o Pós-Doutorado na Universitat Stuttgart/Alemanha.

 

Sua trajetória profissional na UFS começou após sua aprovação para o cargo de técnico administrativo, no qual atuou por 9 anos, em laboratório. Foi também professor associado do Departamento de Física da UFS, tendo sido eleito diretor do Centro de Ciências Exatas da UFS para o quadriênio 2009–2013. É, também, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Sistemas Complexos, Pesquisador bolsista de produtividade I do Conselho Nacional de Pesquisa/CNPq, e Pesquisador Associado do International Center for Theoretical Physics/UNESCO/Gov. Itália; além de ter várias publicações e orientações concluídas.

 

Mas, além de sua trajetória acadêmica, merece destaque outra característica marcante deste pesquisador, que é uma marca da sua trajetória em Sergipe: a defesa permanente da democratização do acesso aos resultados dos avanços científicos e tecnológicos, com transparência e possibilidade de acesso aos editais e programas por todos aqueles realmente comprometidos com a pesquisa e com a ciência.

 

Já o engenheiro agrônomo Luiz Gonzaga da Silva nasceu em 1950, na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, filho de José Jerônimo Filho e Francisca Maria de Lourdes Filha. Formou-se pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido(Ufersa), em sua cidade natal, no ano de 1976. No ano seguinte, após aprovação em concurso público, iniciou a sua carreira no serviço público federal, na Superintendência Regional do Incra de Rondônia, onde ficaria até 10 de maio de 1987, após prestar relevantes serviços na área de regularização fundiária, atuando em diversos projetos do órgão.

 

Depois foi removido para a Superintendência Regional do Incra em Sergipe, de onde se aposentou em dezembro do ano passado. Aqui ocupou as funções de confiança como chefe-substituto da Seção Fundiária e de Colonização, chefe de Grupamento de Assentamento, chefe da Divisão de Obtenção e Desapropriação de Terras e chefe da Divisão Técnica, além de presidente da Comissão do Procera, Contacap, membro técnico do Comitê de Decisão Regional (CDR), membro técnico da Comissão de Vistoria e Avaliação das áreas adquiridas com Recursos do Fundo de Terras do Estado de Sergipe (Funterra).

 

 

Realizou, ainda, além de diversos outros trabalhos técnicos, levantamento e estudos de recursos naturais em projetos de Assentamentos no âmbito da Superintendência Regional do Incra em Sergipe e coordenou a Comissão Técnica Multidisciplinar para Elaboração do Relatório de Identificação e Delimitação das terras ocupadas por Remanescentes de Comunidades de Quilombo, Serra da Guia (município de Poço Redondo), Forte (município de Cumbe), Catuaba (município de Frei Paulo), e Brejão dos Negros (município de Brejo Grande). E trabalha, atualmente, na elaboração de Diagnóstico Agronômico-Ambiental de Territórios Quilombolas e vistoria e avaliação de imóveis rurais como perito federal agrário.

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

 Fotos: Ronaldo Sales, da Assessoria