Escolha do presidente da Anater é positiva para pequena agricultura, avalia João Daniel


Aracaju, 06 de julho de 2015

 

Paulo Guilherme Cabral, novo presidente da Anater

O deputado federal João Daniel (PT/SE) parabenizou a presidenta Dilma Rousseff pela escolha do presidente da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), Paulo Guilherme Cabral. O parlamentar, que esteve visitando o recém-nomeado na semana passada, disse que os governos Lula e Dilma retomaram um grande projeto de assistência técnica e extensão rural pública no Brasil.

 

João Daniel faz parte da Frente Parlamentar de Assistência Técnica e Extensão Rural da Câmara dos Deputados. Ele registrou que Paulo Guilherme é profundo conhecedor do setor, em função de diversas atividades já realizadas na área do cooperativismo, como também no Ministério do Meio Ambiente, por meio da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, chefiada por ele até o anúncio de sua posse na Agência.

 

“A Anater será de grande importância para os pequenos agricultores, dada a sua finalidade de promover a execução de políticas de desenvolvimento da assistência técnica e extensão rural, contribuindo para a elevação da produção, da produtividade e da qualidade dos produtos e serviços rurais, para a melhoria das condições de renda, da qualidade de vida e para a promoção social e de desenvolvimento sustentável no meio rural”, destacou João Daniel.

 

O deputado lembrou que toda sua luta foi pautada na defesa de uma assistência técnica pública para a agricultura, com a participação dos trabalhadores e das suas representações. “Sempre fomos derrotados em nossas pretensões, pois todas as nossas reivindicações não tinham ressonância nos governos neoliberais, que só acreditavam no mercado. E essa assistência que pretendíamos não atendia aos ditames do agronegócio”, disse, ao lembrar que com Lula foi retomada a articulação com todos os segmentos sociais envolvidos para a rearticulação do sistema. Já no governo Dilma aconteceu a consolidação dessa política e da Agência, com a nomeação do presidente.

 

A agência funcionará como um colegiado representado pela Embrapa e outros representantes do governo federal, além de envolver setores do cooperativismo e das lideranças das entidades dos trabalhadores e empresários da agricultura. “Hoje, com a concretização de nossa luta histórica e com a nomeação de Paulo Guilherme, temos a certeza de que os agricultores familiares, as comunidades tradicionais, os camponeses e os povos indígenas terão acesso ao desenvolvimento rural, com conhecimento da assistência técnica comprometida com os seus reais interesses”.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa