Deputado João Daniel presta homenagem a Clodomir Morais


Aracaju, 29 de março de 2016

 

Clodomir Morais: defendeu a democracia e contribuiu para a reforma agrária no Brasil

O deputado federal João Daniel (PT) homenageou o escritor e dirigente nacional das Ligas Camponesas, Clodomir Morais, falecido no último dia 25, aos 87 anos. Em discurso na sessão da Câmara desta terça-feira, dia 29, o parlamentar definiu Clodomir como um homem que defendeu a democracia e um grande revolucionário. “Clodomir foi um grande brasileiro, reconhecido no mundo inteiro. Um grande estudioso, que defendeu a democracia”, afirmou.

 

Para João Daniel, a morte de Clodomir Morais deixa a certeza de que o nosso país teve e tem homens e mulheres que dedicam sua vida às causas socialistas, às causas dos camponeses. “Ele nos deixa esse grande exemplo, um exemplo de todos os lutadores e lutadoras. Viva Clodomir Morais, um grande brasileiro”, completou.

 

Por toda contribuição de Clodomir para o país, João Daniel apresentou na Câmara a Indicação nº 2179/2016, solicitando que a Presidência da República possa homenagear o dirigente das Ligas Camponesas do Brasil. “Pelo histórico de lutas de Clodomir Morais, nada mais justo que prestar uma homenagem a esse grande brasileiro que tanto contribuiu para a luta pela reforma agrária no Brasil”, justificou o deputado.

 

Histórico

Natural de Santa Maria da Vitória (BA), Clodomir Santos de Morais foi jornalista do Diário de Pernambuco, do Jornal do Commércio e escritor com mais de 20 livros publicados, a maior parte deles no exílio, alguns com prefácio de Josué de Castro. Em Recife, onde se formou em Direito, tornou-se militante comunista, deputado estadual e assistente do Trabalho Militar das Ligas Camponesas, acompanhando seus vários Dispositivos Militares do Maranhão ao estado de Goiás.

 

O governo da ditadura militar fascista, resultante do golpe de 1964, não conseguiu quebrar a altivez e a consciência de comunista revolucionário de Clodomir Morais, nem mesmo com a truculência do sequestro e da tortura, decidiu-se, então, pela cassação dos seus direitos políticos e seu exilo. Mas isso só aumentou as convicções de Clodomir na democracia popular e no socialismo. Depois de passar por vários países, fixou-se na Alemanha Oriental, onde fez mestrado e doutorado em sociologia da organização, com a tese: Elementos de Teoria da Organização, na Universidade de Rostock, onde ao mesmo tempo era professor visitante. Logo, foi contratado pela Organização das Nações Unidas (ONU), como consultor para assuntos de Reforma Agrária na América Latina, Caribe e África.

 

Aos militantes, dirigentes e estudiosos da luta pela Reforma Agrária no Brasil, na América Latina e na África, Clodomir deixa um grande legado de sabedoria no interminável trabalho de organização e de formação de quadros no movimento operário e dos camponeses pobres.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa