Deputado João Daniel participa de “Conferência Estadual de Assistência Técnica” e defende políticas públicas para o campo



Com informações da Ascom/Seagri (Foto: Luiz Caros Lopes Moreira (Ascom/Seagri))

Criar uma assistência técnica pública que atenda toda a população do campo e que contribua para a inclusão social desses trabalhadores, com projetos nas áreas de produção, educação e cultura. A proposta foi defendida pelo deputado estadual João Daniel (PT/SE), na abertura da I Conferência Estadual de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural), que ocorreu terça-feira, 13, em Aracaju, e prossegue até esta quarta-feira.

Parabenizo a todos que construíram esta Conferência Estadual e ressalto a importância desse momento para debater e ampliar as políticas públicas para o povo do campo”, comenta o deputado.
João Daniel lembra que tramita na Assembleia Legislativa projeto de lei de sua autoria que cria o Programa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na área da agricultura familiar, envolvendo todos os segmentos rurais: comunidades quilombolas, comunidades tradicionais, assentamentos, áreas de crédito fundiário e banco da terra. “Ainda existem milhares de famílias que não possuem assistência técnica. Por isso, queremos que esse projeto seja debatido, corrigido com ideias e propostas dos que tenham interesse e aprovado”.

Para o diretor de Ater do MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrária), Argileu Martins, a Conferência Estadual oportuniza a discussão sobre os rumos da Extensão Rural, ampliando-se o leque de atendimento no campo. “A partir do Governo Lula são 4,8 milhões de pessoas que deixaram a pobreza pelas políticas públicas introduzidas de forma efetiva, incluindo-se a reforma agrária, luz no campo, seguro safra, sementes selecionadas. Um conjunto de políticas que prossegue com a presidente Dilma, que entende a agricultura familiar não como uma parte da sociedade, mas uma representação indispensável da sociedade”.

Novas estratégias -O secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (Seagri), José Macedo Sobral, acredita que as discussões contribuam para modernização e quebra de paradigmas para a agricultura familiar. “É preciso buscar a excelência paraa agricultura familiar, levando tecnologia de ponta para o campo modernizar-se para atingir o futuro. Buscar investimentos, rompendo paradigmas para evoluir com tecnologia de produção”, avalia o secretário.

A I Conferência de Ater tem como objetivo construir diretrizes, prioridades e estratégias que dêem pleno desenvolvimento ao Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pronater).
Reúne representantes de entidades governamentais e não governamentais, agricultores familiares, assentados de reforma agrária, comunidades quilombolas e indígenas, movimentos sociais e sindicatos dos trabalhadores rurais, dos quais 145 participam como delegados. Eles foram eleitos nas conferências territoriais que envolveram os 75 municípios sergipanos – daí sairá a representação sergipana para a Conferência Nacional de Ater, que ocorre este ano.