Deputado João Daniel esclarece ocupação da rádio Xodó FM


Aracaju, 26 de junho de 2014

Na tribuna da Assembleia Legislativa, na sessão desta quinta-feira, dia 26, o deputado estadual João Daniel (PT) se pronunciou sobre o ocorrido na rádio Xodó FM, no sertão sergipano. Sobre isso, o parlamentar disse que se há alguém que é vítima e tem sofrido naquela região têm sido as lideranças e os movimentos sociais e o Movimento Sem Terra (MST).

“Foi um movimento pacífico, tranquilo, que luta pelo direito de falar na emissora de rádio”, ressaltou. João Daniel disse que diferente de outros programas como o do deputado Gilmar Carvalho na região, o do radialista Anselmo Tavares tem sido dirigido, com ofensas. “Ele já inicia o programa com chamadas: ‘vou tratar do assunto da presidente ladra, do ex-presidente ladrão’. São duas horas de agressão. Você liga para falar e corta”, relato o parlamentar.

Em seu pronunciamento, o deputado João Daniel fez um apelo ao proprietário da emissora Xodó FM para que tome as providências necessárias para oportunidade às pessoas de se manifestarem e participarem do programa. O deputado disse que foram mais de 15 organizações que participaram da ocupação e, segundo ele, não houve depredação do patrimônio da emissora, nem desmaio.

De acordo com o deputado, essa é uma luta pela democratização dos meios de comunicação com os movimentos sociais que lutam e têm esse direito. “O MST, o Movimento de Pequenos Agricultores, o Levante Popular da Juventude, entre outros, todos fizeram um ato muito consciente, tranquilo e sem problema e dou total apoio ao movimento”, afirmou, acrescentando que não houve depredação, xingamentos ou agressão física.

Servidores públicos
Em seu pronunciamento, o deputado estadual João Daniel disse da sua satisfação com a negociação que o governo do Estado tem feito com os servidores públicos estaduais, a exemplo dos defensores públicos, “categoria que formamos a Frente Parlamentar em Defesa da Defensoria Pública e esperamos que o governo possa atender as reivindicações”, afirmou.

Por Edjane Oliveira, da Assessoria