Agricultor Guido Michel é agraciado com o título de cidadão sergipano


Com a presença de familiares, amigos, militantes e diretores estaduais e nacionais do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e outros movimentos sociais, o agricultor Michel Alphonse Leon Pierre Ghislain Dessy, o Guido Michel, como é mais conhecido, recebeu o título de cidadão sergipano. A sessão especial para a outorga da homenagem aconteceu no final da tarde da segunda-feira, dia 26, presidida pelo deputado Adelson Barreto (PTB). O deputado João Daniel (PT) foi o autor do projeto de resolução que agraciou esse lutador pela reforma agrária em Sergipe. Autoridades políticas, a exemplo do prefeito de Poço Redondo, Roberto Araújo, o vice-prefeito da Barra dos Coqueiros, Caducha, vereadores, entre outros, prestigiaram a solenidade.

 

Para o parlamentar, esta foi uma forma de homenagear esse cidadão ilustre, que sempre teve uma atuação firme e forte pela democratização no acesso à terra em nosso Estado. Belga de nascimento, Guido chegou ao Brasil em 1964, a convite de Dom José Brandão de Castro, para trabalhar com a população do Vale do São Francisco. João Daniel destacou que deseja que esse título de cidadão sergipano sirva para também homenagear todos os demais homens e mulheres que lutam e que vieram a Sergipe para ajudar nosso Estado.

 

“Tive a oportunidade de conhecê-lo e ser um dos seus grandes amigos. Tive a oportunidade de viver um tempo com ele. Encontrei no companheiro Michel uma das qualidades mais importantes de um homem: a solidariedade. Quando o MST foi fundado em Sergipe, ele sempre servia com aquilo que tinha. Foi um dos grandes militantes da causa. E é, até hoje, um dos homens mais solidários que já conheci. Por tudo isso nos orgulha ter proposto a entrega desse título”, declarou João Daniel. Durante a sessão, foi exibido um vídeo com um pouco da trajetória de Guido Michel na luta pela terra em Sergipe, como forma de homenageá-lo.

 

Emocionado com a homenagem, Guido Michel foi à tribuna da Assembleia agradecer o título concedido pelo Parlamento estadual, através da propositura do deputado João Daniel. Em seu discurso, Guido agradeceu a Deus por lhe dar força, coragem e teimosia e às pessoas de boa vontade, em especial João Daniel, as pessoas da igreja, sindicatos, Partido dos Trabalhadores e Movimento dos Pequenos Agricultores. “E todos que nos ajudaram a conquistar e a viver na nossa terra. Cada trabalhador tem seu valor e seu lugar na sociedade para construir um mundo melhor”, disse, ao agradecer a participação de todos nesse momento tão especial para ele.

 

Histórico

Michel Alphonse Leon Pierre Ghislain Dessy nasceu num lugarejo chamado Sovet, na província de Namur, na Bélgica, em 1938, filho de Leon Dercy e Celine Werner. Na infância, durante a Segunda Guerra Mundial, viveu o drama de ter o seu pai preso pelos nazistas. Quando adolescente, juntou-se ao Movimento da Congregação dos Redentoristas e, a convite de Dom José Brandão de Castro, veio para o Brasil, em 1964, trabalhar com a população pobre do Vale do São Francisco.

 

Em terras sergipanas, no município de Propriá, desempenhou a função de enfermeiro prático, ajudando muitos ribeirinhos pobres acometidos de tuberculose. Ajudou, também, na fundação da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e, em 1970, fundou uma cooperativa em Propriá. No ano de 1974 naturalizou-se brasileiro.

 

Em 1977, mudou-se para Nossa Senhora da Glória, já casado com Socorro de Oliveira Dessy e pai de três filhos, onde começou a participar ativamente como filiado do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Nossa Senhora da Glória. No início dos anos 80, tornou-se membro-fundador do núcleo do Partido dos Trabalhadores (PT) no município e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Estado. Em 1986 compôs a primeira direção executiva do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) em Sergipe.

 

Guido Michel participou ativamente de muitas lutas para a democratização do acesso à terra em Sergipe, tornando-se um assentado em Barra da Onça, no município de Poço Redondo, tendo sido torturado por policiais militares durante uma ocupação de terra neste município. No período de 1991 a 2011, foi secretário do Laticínio União, no assentamento Barra da Onça, onde até hoje, aos 75 anos, cultiva o seu lote.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria

Foto: César de Oliveira, da Agência Alese