21 anos após privatização da Vale do Rio Doce, João Daniel alerta para as consequências do projeto entreguista deste governo


 

Aracaju, 11 de maio de 2018

 

 

Passados 21 anos da privatização da Companhia Vale do Rio Doce, a venda da mineradora, no período do governo Fernando Henrique Cardoso, ainda continua sendo um escândalo. O episódio e as tentativas daquele governo em também entregar a Petrobras e outras empresas – intento que não conseguiu à época – foram lembrados pelo deputado federal João Daniel (PT/SE), quando também alertou para o desejo do atual governo em privatizar empresas nacionais e os prejuízos que podem acontecer ao país e à soberania nacional.

 

Esta semana, o parlamentar participou, no Salão Nobre da Câmara dos Deputados, do lançamento da Frente em Defesa do Petróleo Brasileiro. Ele relatou que três grandes empresas nacionais importantes estão ameaçadas e sendo colocadas a serviço, neste momento, do governo golpista para os interesses do grande capital: todo o Sistema Eletrobras, a Petrobras e os Correios. “O que estamos acompanhando é um absurdo. É um governo que não tem nenhum compromisso nacional, que não tem nenhum interesse com o país e que coloca o Brasil no futuro como está sendo feito neste momento na Argentina”, disse.

 

João Daniel lembrou que a base do governo, até bem pouco tempo, falava bem do governo argentino e hoje a Argentina vive uma situação crítica do ponto de vista econômico. “Lá, estourou a inflação, estourou o desemprego e o governo Macri se ajoelhou aos pés do FMI [Fundo Monetário Internacional] para buscar empréstimo”. Na avaliação do parlamentar, esse é o caminho do Brasil, com o golpe e com esse modelo que está sendo implantado neste momento. “É o caminho do desemprego, da desnacionalização, da entrega da soberania nacional e do caos total que estão virando as nossas cidades e os Estados”, disse, ao acrescentar que os governos estaduais e as prefeituras estão totalmente abandonados pelo governo federal, porque este coloca verbas hoje, não mais do ponto de vista republicano, mas na base do troca-troca, do esquema político mais perverso que o nosso país já viu, avaliou João Daniel.

 

O deputado ressaltou que, através de sua base, este governo golpista vai tentar eleger para a próxima Legislatura os mesmos, ou os novos que continuarão entregando este projeto de Nação brasileira. João Daniel também lamentou a postura do presidente da Petrobras, Pedro Parente, que nada tem feito do que havia sido acordado em reunião com parlamentares e governos estaduais sobre a situação de desativação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) em Sergipe e na Bahia.

 

“Pelo contrário! Nesses dois estados está sendo feita a transferência de funcionários da Fafen para desmontar as empresas. O acordo com a bancada de Sergipe e da Bahia e os dois governadores era a suspensão de qualquer desativação para que após o período acordado viesse a ser discutida uma proposta feita pelos dois Estados junto com a Petrobras. Todos nós sabemos que fechar, vender ou privatizar as duas Fafens para as empresas russas, chinesas, americanas ou europeias é parte do compromisso deste governo golpista que não tem compromisso nacional”, disse, ressaltando que continuará a luta em defesa do Brasil, das empresas estatais, de um projeto nacional e em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

A Companhia Vale do Rio Doce foi privatizada em maio de 1997, no governo Fernando Henrique Cardoso. A empresa que valia, à época, ao menos R$ 100 bilhões, mas foi vendida por R$ 3,3 bilhões. “Um escândalo até hoje”, afirmou João Daniel. A empresa tinha instalação em 140 cidades, 11 países, tendo sido fundada em 1942 com suor, sangue e trabalho do povo brasileiro.

 

Por Edjane Oliveira, da Assessoria de Imprensa

Foto: Lula Marques/PT na Câmara